icons.title signature.placeholder Guilherme Borini
06/07/2014
17:45

Revelado nas categorias de base do Santos, o meia-atacante Lucas Crispim tem sua inspiração para emplacar a carreira, agora no Vasco: o ídolo, “parça” e até ex-cunhado Neymar, com quem mantém uma estreita relação de amizade desde que chegou ao Peixe, em 2006, quando tinha 12 anos de idade.

Com contrato até dezembro de 2016 com o Santos, Crispim nem sequer ganhou uma chance na equipe profissional e, fora dos planos do técnico Oswaldo de Oliveira, foi emprestado para o Gigante da Colina até o final deste ano. O jogador, de 20 anos, chegou a São Januário há um mês e se juntou ao restante do elenco para o período de treinamentos durante a paralisação para a Copa do Mundo e tem trabalhado sob o comando de Adilson Batista.

Crispim faz parte do grupo “Tóis 013”, que reúne os amigos mais próximos de Neymar, que mantém contato por meio do aplicativo de mensagens “Whatsapp”. Nem mesmo seu relacionamento com a irmã do craque da Seleção Brasileira e do Barcelona afastou os dois amigos. Crispim namorou Rafaella por quatro anos e meio, desde a adolescência, mas terminaram a relação no ano passado. O namoro rendeu o apelido de “Cunhas” pelos companheiros de time no Vasco.

A amizade dos dois começou com uma história característica de Neymar: brincadeira e, claro, bom futebol e gols.

- A gente viajou junto para um Campeonato. E o Neymar chegou em mim brincando, perguntando se eu sabia jogar bola. A gente nem se conhecia. Eu falei para ele: “Ah, eu bato uma bola, sim”. Ele falou para eu fazer um gol para ele e estava na arquibancada vendo o jogo. Logo no primeiro lance já fiz um a zero. No final das contas, fiz sete gols, todos para o Neymar. A partir daí, ele começou a me chamar de “Showman” e a amizade vem até hoje.

Dentro de campo, a parceria nunca foi praticada em partidas oficiais, apenas em treinamentos, já que os dois nunca chegaram a jogar juntos – Neymar é dois anos mais velho. Mas, fora das quatro linhas, a relação foi fortalecida a cada ano e a convivência fez Crispim tratar o amigo como um espelho para atingir o sucesso no futebol.

- O Neymar é um cara que eu sou fã, amigo, sou tudo. Ele é um exemplo para mim. Não só dentro de campo, como fora. As pessoas que não conhecem podem pensar que ele é marrento, que ele é mala, isso ou aquilo. Mas é completamente diferente. A humildade dele sobressai. Ele merece tudo que está acontecendo na vida dele.

O próximo encontro já tem local marcado: Barcelona.

- Eu tinha combinado com ele que, quando tivesse uma folga, eu iria para lá. Mas teve a folga agora e ele estava na Copa. Acho que se tiver tudo bem nas férias de fim de ano, eu vou lá para visitá-lo – completou.

APOIO APÓS A CONTUSÃO DE NEYMAR

O amigo Crispim não deixou Neymar na mão em um dos momentos mais difíceis da carreira do camisa 10 da Seleção Brasileira, após a fratura em uma vértebra, que o tirou do restante da Copa do Mundo,

- Eu preferi não falar muito sobre isso. Eu também já passei por isso, de ficar de fora do campeonato que eu sempre quis, por causa de lesão também. Eu preferi não falar muito, não estender a conversa. Só mandar força que ele precisava no momento. Só quem estava do lado dele sabe o quanto ele sonhou e quanto se dedicava para isso. Depois vou conversar mais com ele, no momento só mandei força.


Lucas Crispim postou mensagem de apoio a Neymar em sua conta do Instagram (Foto: Reprodução/Instagram)

A CARREIRA DE CRISPIM E O RECOMEÇO NO VASCO

Natural de Brasília, Lucas Crispim foi descoberto para o futebol com 12 anos, quando foi disputar um torneio na capital federal defendendo o CFZ. Na ocasião, olheiros do Corinthians e do Santos se interessaram pelo garoto e fizeram proposta para o pai do jogador.

Entre Timão e Peixe, o atleta, junto com a família, optou pelo clube do litoral paulista, onde passou por todas as categorias, até chegar aos treinamentos com a equipe profissional. Apontado como mais uma joia santista, foi artilheiro em cinco campeonatos na base. Chegou até a recusar uma proposta do Genoa, da Itália, no ano passado, mas não conseguiu atuar pela equipe principal.

- No Santos, costumam subir jogadores depois da Copa São Paulo. O Zinho, que é o gerente, disse que depois da Copa São Paulo eu já ia subir. Falou como o Oswaldo iria me utilizar no esquema tático. Ele me chamou para conversar e fez uma reunião comigo e com meu pai, estava tudo tranquilo. Mas infelizmente me machuquei na Copa São Paulo e fiquei dois meses parado. E foi aí que não tive oportunidades. E quem jogou teve mais oportunidades e eu acabei ficando para trás - lamentou.

Agora no Vasco, o jogador tenta um recomeço na carreira para, enfim, engrenar um caminho de sucesso e seguir os passos do seu amigo Neymar.

- Sempre bom respirar novos ares. Mostrar meu futebol no Vasco, que é um time grande. Um time que dá oportunidade para jovens também. Eu sempre ficava vendo os jogos do Vasco e vi os jovens tendo oportunidades, como o Yago, o Thalles e o Marquinhos. A visibilidade aqui é tão grande que o Thalles sempre vai para a seleção (Sub-21). Vi que aqui seria um lugar muito bom para mim. Então quando veio a proposta, meu empresário falou que tem essa oportunidade de ir para lá, eu conversei com meus pais e não pensei muito e acabei vindo para cá – concluiu Crispim.

Lucas Crispim concedeu a primeira entrevista coletiva como jogador do Vasco (Foto: Guilherme Borini)