icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/07/2013
00:15

Foram apenas 15 minutos de partida, mas o suficiente para o meia Léo Cittadini, 19 anos, ganhar a confiança do técnico Claudinei Oliveira, marcar o seu primeiro gol pelos profissionais e garantir o Peixe nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Empolgado com o bom desempenho, o jovem, que é visto como grande promessa da Vila Belmiro, destacou o bom desempenho da equipe contra o Crac, em Catalão, mesmo sem a presença de quatro titulares, que foram poupados pelo técnico Claudinei.

- Muitas pessoas da imprensa estavam desacreditadas nessa equipe, mas, quando vestimos essa camisa, entramos para vencer. Estou feliz pelo meu primeiro gol e por ter ajudado a equipe nessa classificação - afirmou.

O garoto fez questão ainda de exaltar a participação do Peixe na Copa do Brasil e rechaçou a possibilidade antes comentada de que o Peixe "abriria mão" do torneio nacional para disputar uma "menos concorrida" Sul-Americana, que não contará com grandes rivais do Peixe.

- Ele falou bastante com a gente sobre isso. Pediu para que não ligássemos para o que estavam dizendo e foi isso o que aconteceu. Entramos e mostramos que não escolhemos competição - completou.

Foram apenas 15 minutos de partida, mas o suficiente para o meia Léo Cittadini, 19 anos, ganhar a confiança do técnico Claudinei Oliveira, marcar o seu primeiro gol pelos profissionais e garantir o Peixe nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Empolgado com o bom desempenho, o jovem, que é visto como grande promessa da Vila Belmiro, destacou o bom desempenho da equipe contra o Crac, em Catalão, mesmo sem a presença de quatro titulares, que foram poupados pelo técnico Claudinei.

- Muitas pessoas da imprensa estavam desacreditadas nessa equipe, mas, quando vestimos essa camisa, entramos para vencer. Estou feliz pelo meu primeiro gol e por ter ajudado a equipe nessa classificação - afirmou.

O garoto fez questão ainda de exaltar a participação do Peixe na Copa do Brasil e rechaçou a possibilidade antes comentada de que o Peixe "abriria mão" do torneio nacional para disputar uma "menos concorrida" Sul-Americana, que não contará com grandes rivais do Peixe.

- Ele falou bastante com a gente sobre isso. Pediu para que não ligássemos para o que estavam dizendo e foi isso o que aconteceu. Entramos e mostramos que não escolhemos competição - completou.