icons.title signature.placeholder Fábio Aleixo
27/12/2013
09:19

Maior astro do Pinheiros, se não de todo o NBB, Leandrinho sente-se cada vez mais à vontade em quadra. Desde a sua estreia na competição nacional, há 34 dias, disputou oito partidas e deu mostras de que a grave lesão no joelho esquerdo (rompimento dos ligamentos cruzados), que sofreu em 11 de fevereiro e o afastou de combate por nove meses, faz parte do passado.

Com média de 20,7 pontos por partida é o segundo maior anotador do campeonato (em média), atrás apenas do americano Robert Day, do Uberlândia, que tem 22,1.

Vice-líder do NBB, com oito vitórias em 11 jogos, o Pinheiros ganhou seis das oito partidas em que Leandrinho esteve em quadra.

Mas o ala-armador ainda não está plenamente satisfeito com seu rendimento. A forma física, ele admite, ainda está longe do ideal. Por isso, neste fim de ano, não terá muito tempo para descansar. Ele quer entrar em 2014 ainda melhor.

– Estou me sentindo cansado em parte dos jogos, mas devargazinho vou pegando ritmo. Fiquei muito tempo parado para ter festa, vou seguir treinando forte – afirmou.

Mas nem tudo tem sido flores para Leandrinho nesta volta país. O ala-armador tem sido hostilizado pelas torcidas adversárias por conta de sua ausência na Copa América de Caracas (VEN), em setembro, quando a Seleção Brasileira terminou na penúltima posição, ficando na dependência de um convite para jogar a Copa do Mundo da Espanha, em 2014. À época, alegou não estar recuperado da lesão.

Gritos de “mercenário”, “safado” e até outros piores são ouvidos pelo jogador de 31 anos.

–  Lógico que você não espera este tipo de coisa, você não quer que a pessoa te xingue quando você está jogando. Até na nossa casa, no ginásio do Pinheiros, sou xingado. Mas acontece. E isso é bom, para eu treinar minha parte psicológica.

Apesar de satisfeito no Brasil, Leandrinho não esconde que um retorno à NBA segue em seus planos. Uma cláusula contratual permite a ida aos Estados Unidos caso haja proposta de algum time.

– Todo dia tem telefonema, graças a Deus. Isso mostra que ainda sou importante lá. Mas tento não entrar muito neste assunto. Meu irmão e meu agente estão cuidando disso. Estou focado e concentrado em terminar minha recuperação, mas acho que tudo dará certo.


Bate-Bola

Nesta volta ao país, o que você tem achado do NBB como um todo, levando em conta o nível das equipes, a promoção do evento?
O NBB deu uma nova vida ao basquete brasileiro. Depois do NBB, fomos vistos de outra forma. A liga e o basquete brasileiro são muito respeitados. Por isso, temos cada vez mais americanos, argentinos, uruguaios atuando aqui. Fico feliz de ver o basquete subindo.

Mas em termos de estrutura há uma gigantesca diferença em relação aos Estados Unidos. Lá, cada time tem um avião. Aqui, para jogar no Nordeste, por exemplo, vocês viajam na classe econômica. Como vê isso?
Não ligo, sou um cara super simples. Aqui estão minhas raízes, este é meu país. Não tenho frescura com isso de avião ou estrtura dos ginásios. Claro que é diferente, mas só de jogar aqui estou muito feliz.

Você disse que tem recbido ligações de times da NBA. Eles estão lhe acompanhando de perto?
Meus números chegam lá. E também tem algumas partidas em que há olheiros observando. Eles andam impressionados, pois minha recuperação deveria demorar muito mais do que os sete meses. Antes de acertar com o Pinheiros, havia times interessados, mas eles tinham receio de fechar um contrato.

Na torcida pelo Indiana Pacers

Apesar de todos os compromissos com o Pinheiros e do trabalho para readquirir sua melhor forma física, Leandrinho tem acompanhado os jogos da NBA sempre que pode. Seja pela televisão, seja pelo computador. E a sua torcida vai para o Indiana Pacers, equipe que defendeu na metade final da temporada 2011/2012.

– Assisto aos jogos sempre que posso. Estou acompanhando bastante o indiana. Deixei grandes amigos no tempo que passei lá. Sempre falo com vários jogadores. O time está indo muito e tende a ser o campeão – afirmou o ala-armador do Pinheiros.

Atualmente, o Pacers lidera a Conferência Leste da liga americana. Em 28 partidas, soma 23 vitórias e cinco derrotas.

A próxima partida da equipe de Indianápolis será apenas amanhã. Às 22h (de Brasília), recebe o Brooklyn Nets. Em 14 partidas realizadas em seu ginásio nesta temporada, o Pacers tem 13 vitórias.