icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
19/02/2015
11:30

Assim como a apuração das escolas de samba costuma mostrar - e se repetiu ontem à tarde com a Viradouro -, é muito difícil uma instituição que sobe para a elite conseguir permanecer para o ano seguinte. Isto posto, lembremos que o Barra Mansa não deve disputar a primeira divisão estadual em 2016. E isso apenas agrava a desastrosa atuação que os torcedores acompanharam em São Januário. E não há cinzas da quarta-feira que justifiquem a velocidade de ressaca que a equipe apresentou, principalmente no primeiro tempo. Inaceitável.

O Vasco até tentou jogar pelas pontas, mas Montoya e Bernardo não estavam em bons dias. Além do mais, não é regra que contra times pequenos é preciso usar os lados do campo. Marcinho esteve sozinho no buraco que os visitantes deixaram ao dobrar a marcação aos pontas e laterais cruz-maltinos. Gilberto chegou e Doriva pode ficar feliz com o que terá dentro da área, mas vai precisar treinar uma nova alternativa de jogo. Quem sabe no velho 4-2-2-2, com Marcinho e Bernardo armando, Thalles e o novo reforço na frente?

LEIA MAIS
> Vasco volta a jogar mal e fica só no empate com o Barra Mansa
> ATUAÇÕES: Bernardo decepciona, e Rafael Silva se salva em empate

E o que dizer de Julio dos Santos? O paraguaio, que na sua apresentação já anunciava que não era de raça, foi duplamente culpado ontem. Ele entrou no intervalo, errou o passe que resultou no contra-ataque, e voltou marchando. Resultado, Vitinho ficou sozinho onde era para o volante estar. Fatal.

De positivo sobre a última noite, a prova de que as bolas paradas do Gigante da Colina estão afiadas. Um lance deste tipo, novamente, foi fundamental. Mas todos sabem que não é sempre que haverá chance de falta. É bom Doriva abrir o olho pois a lição é velha: se o rival é fraco, que seja liquidado logo.