icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
28/06/2014
20:09

Desde o fim do ano passado, Phillip Lahm começou a ser escalado como volante por Pep Guardiola no Bayern de Munique (ALE). Na seleção alemã, Joachim Löw também começou a aproveitar seu capitão nesta posição. A situação, agora, gera crítica por "falta de espaço" no meio. Nos dois primeiros jogos, Sami Khedira foi o titular com Lahm. Contra os Estados Unidos, na última quinta-feira, Bastian Schweinsteiger, que se recuperava de lesão no início da Copa, foi o escolhido. Agora, há uma vaga para os dois no duelo diante da Argélia, nesta segunda-feira, no Beira-Rio, pelas oitavas de final. 

O tema foi muito abordado na entrevista coletiva de Joachim Löw neste sábado, em Santo André (BA), onde a Alemanha escolheu para treinar durante a Copa. Os críticos preferem que Lahm volte para a lateral-direita, no lugar de Boateng (que é zagueiro e atua improvisado), e, assim, Khedira e Schweinsteiger seriam os dois volantes do meio. O treinador não cede. Lahm segue no meio e seu companheiro ainda está indefinido.

- Bastian jogou (contra os Estados Unidos) pela primeira vez desde o início após semanas. Mas ele foi muito bem. Seja ele ou Sami, estaremos bem, às vezes as lesões não permitem que todos disputem todos os jogos. Ambos são de extrema importância para a equipe. Sami precisava de um descanso após os dois primeiros jogos. Agora vamos ver como faremos nos próximos. Quem joga na segunda-feira é uma decisão que ainda vou tomar. Ambos me deram as melhores impressões nos treinos - disse Joachim Löw, neste sábado.

De acordo com Löw, Khedira só não atuou diante dos Estados Unidos porque o próprio pediu para ser poupado. Com isso, Schweinsteiger foi titular pela primeira vez nesta Copa. Na estreia diante de Portugal, ele nem sequer entrou em campo. O jogador do Bayern de Munique (ALE) sofreu uma lesão no joelho esquerdo a cerca de um mês para a Copa e foi desfalque em boa parte da preparação. Já durante o torneio, às vésperas da estreia, ele sofreu um pisão no pé esquerdo em um treino. Contra a seleção americana, pela primeira vez, ele sentiu-se em condições plenas para atuar os 90 minutos.

- Tanto Schweinsteiger quanto Khedira são imprescindíveis. Mas nessa Copa eles não iniciaram em condições de jogar todos os jogos os 90 minutos. Bastian é extremamente importante para mim e para a equipe. Sami pediu esse intervalo, disse que estava esgotado. Sobre o próximo jogo, ainda vamos o que vai acontecer até lá - disse Löw. 

O movimento para que Lahm volte para a lateral-direita tem duas outras razões. A primeira é que Boateng, que sentiu a coxa no duelo contra Gana e chegou até a sair no intervalo, agora sente uma inflamação no joelho e nem chegou a treinar neste sábado. Mesmo assim, o técnico alemão disse que ele vai treinar neste domingo e não será problema para o jogo. O outro fato é que Lahm errou um passe decisivo diante de Gana no meio e recebeu críticas em seu país. O treinador alemão defendeu-o e voltou a bancá-lo na posição.

- Não houve nenhuma mudança no sistema tático com Lahm. Pode ser outros jogadores em outras funções, mas jogamos da mesma forma. Sabemos que há uma controvérsia em relação ao Lahm. Ele já teve desempenho espetacular em algumas partidas e nem tanto, em outras. Mas eu não posso olhar adiante agora. Penso no agora. Lahm é o homem ideal para o meio de campo. Tanto ele como Khedira sabem ser jogadores-chave no nosso esquema - analisou o comandante.