icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/11/2013
19:22

O Palmeiras encerrou sua participação na Série B perdendo por 1 a 0 para a Chapecoense, neste sábado, mas a cabeça do técnico Gilson Kleina já está em 2014. Depois de um ano que ele considera positivo por ter cumprido a missão de voltar à elite, o comandante festeja por já ter construído uma base.

- O mais importante não é a quantidade de atletas que vão permanecer, mas a base sólida. Fazendo uma comparação rápida, neste ano começamos do zero, mas agora, não. Temos uma base forte: Fernando Prass, Henrique, Eguren, Wesley, Alan Kardec, Márcio Araújo, os garotos...

Kleina já coloca o volante Márcio Araújo em sua base ideal para o ano do centenário e deixa claro que deseja as renovações do zagueiro Vilson e do atacante Leandro. Da lista de 13 jogadores com contrato a se encerrar em dezembro, os três são os únicos titulares.

- Você já sai na frente (se renovar). Há jogadores versáteis que podem fazer até três posições. Há jogadores que já estão identificados, caso do Leandro e Vilson - comentou.

- A missão que eu tinha foi feita, que era voltar para a Primeira Divisão. Fizemos com muita maestria e com o apoio incondicional do torcedor. Jogamos para passar pelo Tijuana (nas oitavas da Libertadores), mas não tivemos a sorte. O Tijuana até poderia ter eliminado o Atlético-MG na semifinal, mas teve o milagre do Victor. Nós perdemos a Copa do Brasilpara o finalista (Atlético-PR), em uma noite ruim. E, numa reformulação, saímos nos pênaltis para o Santos (no Paulista). Foi um ano difícil financeiramente, um ano de construção. Tínhamos de trazer o jogador e colocá-lo bem fisicamente. Nós tivemos dificuldade para ganhar Libertadores e Paulista, mas conquistamos a Série B, que era o planejado - completou.