icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
21/03/2014
18:56

Gilson Kleina não pensa duas vezes antes de escolher qual é a melhor opção entre perder o clássico contra o Santos, cair para segundo lugar na classificação geral do Paulistão e "escapar" do rival São Paulo na semifinal ou confirmar a primeira colocação com um empate ou uma vitória e garantir o direito de decidir os mata-matas ao lado da torcida. Ele prefere a segunda opção.

- Não tem como fugir dos grandes jogos, e também não existe certeza que você vai ser competente contra Bragantino ou Rio Claro (nas quartas de final, quarta que vem). Não adianta pensar na semifinal. Sabemos que equipes do interior vêm babando, podem se preparar para empatar e levar para os pênaltis. O que a gente quer é decidir nos nossos domínios, com o nosso torcedor, isso faz diferença. Nós temos um retrospecto muito favorável dentro de casa e isso pode representar muito na fase decisiva - disse o comandante.

O Verdão realmente defende uma grande invencibilidade no Estádio Municipal: já são 21 jogos sem saber o que é perder. A última vez foi contra o Tijuana (MEX), ainda pelas oitavas de final da Libertadores do ano passado. A vontade de jogar em casa é tanta que, enquanto Oswaldo de Oliveira diz que pretende poupar alguns jogadores do Peixe, o comandante palmeirense só deixará um fora: Wendel, suspenso, será preservado para não virar desfalque.

- Todo treinador quer respeitar o planejamento. Se ele fizer isso (poupar jogadores) eu entendo. Nós também temos jogadores pendurados, sabemos o que vale essa partida, mas sabemos que um jogo só na próxima fase define o futuro das equipes. Para nós, está claro que é manter a liderança. É importante ser líder geral para poder focar jogo a jogo depois, com as decisões no Pacaembu, com nosso torcedor. Acredito que eles pensam isso também - completou.

O duelo na Vila, válido pela última rodada da fase de classificação, começa às 16h.