icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
01/11/2013
12:17


Valdivia mostrou incômodo por ter feito apenas oito jogos completos em 2013 e jogou a responsabilidade para Gilson Kleina, dizendo não ter culpa se o treinador sempre resolve tirá-lo. Questionado sobre as declarações do chileno, o comandante do Palmeiras fugiu de polêmica e disse que faz tudo pelo bem do clube.

- Falaram que eu tenho a culpa, então assumo essa culpa, não tem problema. Acho que ele é um jogador especial e se a gente puder preservá-lo, sempre será pensando nele e na instituição. Prefiro vê-lo menos tempo, mas sempre - disse Kleina, após o treino desta sexta-feira.

- Todos querem ver o Valdivia por 90 minutos, inclusive eu, mas o nosso planejamento era para resgatar esse craque. Ele sabe disso. A preocupação era tê-lo mais vezes em campo, e hoje ele tem condições de fazer 90 minutos. Foi muito mais para preservar e ter esse diferencial. Acho que foi certo, olhem a evolução que ele teve - acrescentou o técnico.

Valdivia está sendo submetido a um monitoramento rigoroso para evitar lesões. Depois de sofrer com problemas musculares e disputar somente nove jogos em todo o primeiro semestre, ele passou a ter a carga de treinos e jogos dosada e evoluiu: já fez 15 partidas no segundo semestre, somando 24 na temporada, e está confirmado como titular contra o Paraná, neste sábado, em Curitiba, o 63º compromisso do Verdão em 2013.

- Quando eu tomei essa decisão de monitorarmos, queria preservar o craque e a instituição. Acredito que esse planejamento tenha sido muito bom. O fato de ele não ter jogado 90 minutos não quer dizer que ele não fez diferença. Ele jogou vários jogos, fico feliz por ter ido para a seleção, disputar uma Copa do Mundo. Fiz isso para ele nos ajudar e hoje vejo um jogador diferente, com alegria e prazer de jogar futebol - conclui Kleina.