icons.title signature.placeholder Pedro Barboza
24/02/2015
18:31

O técnico Vanderlei Luxemburgo e o ex-jogador Edmundo vivem em uma intensa briga judicial desde 2006 (por cheque de R$ 400 mil sem fundos). Porém, após nove anos, a Justiça bloqueou parte do salário do treinador – desde o quinto dia útil de fevereiro – para começar a quitar os R$ 2.841.805,27 milhões (já corrigido com juros). Com isso, o Flamengo foi intimado a depositar, em juízo, parte dos vencimentos de Luxa, referentes a notas emitidas pela WL SPORTS SS LTDA, que pertence ao técnico rubro-negro.

No Flamengo, Luxemburgo recebe em torno de R$ 400 mil mensais, parte como pessoa física e e outra como pessoa jurídica. Na próxima sexta-feira, as partes terão um novo encontro para que tentem chegar a um acordo.

De acordo com o advogado de Edmundo, Luiz Roberto Leven Siano, o valor penhorado até o momento, desde o início do processo, não chega a R$ 100 mil.

– Do valor todo, conseguimos R$ 18 mil em uma conta do Luxemburgo e outros R$ 2 na conta da esposa. Além de dois carros e objetos, o que não chega a R$ 100 mil. Os salários não podem ser penhorados, mas desde que não sejam exorbitantes. O que passar de 150 salários mínimos pode ser retido – disse o advogado, que alegou quea Justiça vem tentando penhorar os vencimentos desde a última passagem pelo Flamengo.

- Como o processo é no Rio, até a carta precatória chegar, ele já tinha sido demitido. Aconteceu no Flamengo, Gêmio, Fluminense e agora o Flamengo de novo.

O valor, por sua vez, ainda não foi depositado pelo Flamengo. Em nota, o Rubro-Negro alegou que não descumpre uma decisão judicial. Assim, os valores serão depositados em juízo, conforme determinado. Marcos Paulo Vieira, advogado de Luxemburgo não foi encontrado.