icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/11/2013
18:48

A aposentadoria do meia Juninho Pernambucano está cada vez mais próxima. O jogador levará pelo menos três meses para se recuperar da lesão no músculo adutor da coxa esquerda. Ao ser questionado sobre pendurar as chuteiras, Juninho afirmou que a tendência é que isso aconteça, mas não quis ainda cravar como e quando será.

– A tendência é que eu pare de jogar profissionalmente, mas vou ver em janeiro. Voltando, se eu puder ajudar e der para jogar o Carioca. Não adianta voltar mal. Não é que estou jogando muito, mas eu estava competindo de igual para igual. Claro que exige sacrifício e isso te limita. Quero ver em janeiro para voltar a treinar, mas acho difícil voltar profissionalmente – disse, em entrevista à Rádio Globo.

Se chegar a conclusão de que será melhor encerrar a carreira, o meia espera que o jogo de despedida seja contra o River Plate (ARG). Afinal, foi contra o adversário que ele marcou o histórico “Gol Monumental”, pela semifinal da Libertadores de 1998.

– Tem que ser um jogo competitivo. Seria mais fácil jogar o Estadual e depois fazer um jogo com River Plate, valendo, porque argentino não quer perder nunca – destacou.

E MAIS:
> Adilson Batista deu ênfase às bolas paradas no último treino em Atibaia
> Técnico conta com ajuda tecnológica de auxiliar para livrar o Vasco

Quando chegou ao Vasco, em 1995, o futebol do clube era comandado por Eurico Miranda. Em pouco tempo, houve um problema entre ambos porque Juninho teria dado uma entrevista contra a vontade do dirigente. Anos depois, o meia lembrou com era a relação com Eurico:

– O Eurico não me tratava como um ser humano. Como não tratava ninguém. Eu era apenas um empregado. Acho que poderia ter mais respeito – disse Juninho, garantindonão ter raiva do ex-dirigente.