icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
17/07/2014
18:26

Após aproximadamente um ano e quatro meses afastado dos cages por conta de uma lesão no ombro, Itamar Rosa retorna às competições com a dura missão de conquistar o cobiçado cinturão dos meio-médios (77kg) do Jungle Fight. Com nove vitórias e três derrotas em seu cartel, Itamar vai enfrentar o experiente Elizeu Capoeira na edição 71 do evento, que está marcada para este sábado, às 20h30, no Ginásio do Canindé, em São Paulo (SP).

Natural de Cachoeirinha (RS), o lutador, que vem de uma vitória sobre Douglas del Rio no Jungle Fight 50, tem em seu fortes treinamentos uma das armas para sair com o título de uma das maiores organizações de MMA do mundo. Confiante, ele acredita em uma luta franca contra Elizeu Capoeira.

- Eu já estou praticamente no peso e me sentindo muito bem. Nesta fase final treinei muito bem, tanto na parte de chão quanto na parte em pé, agora é botar todo o trabalho em prática. Acho que essa luta vai ser de trocação e um dos dois vai cair. Estou muito bem condicionado e me sentindo bem forte - comentou.

Aos 34 anos e em busca de um salto em sua carreira profissional, Itamar acredita que a conquista de um cinturão tão importante pode abrir portas e servir de chamariz para que eventos internacionais possam contratá-lo no futuro.

- Esse cinturão é um objetivo de alguns anos. Já tive a oportunidade de lutar uma vez pelo título dos médios, mas acabei perdendo. Acho que a conquista desse título pode abrir muitas portas para mim, inclusive para eventos internacionais. Todos buscam o melhor para as suas carreiras, comigo não é diferente - explicou.

Apesar de possuir uma carreira repleta de desafios, incluindo uma luta na África do Sul, Itamar Rosa credita ao Team Nogueira uma parcela importante para a evolução de seu jogo e crescimento profissional.

- O Team Nogueira foi um grande salto na carreira para mim. Eu cheguei a ficar um período de cinco anos parado e me dedicando a minha vida particular. Chegar aqui foi a realização de um sonho. Aprendi muita coisa. Eu costumava assistir o Minotauro, Minotouro e o Anderson Silva pela TV. Poder treinar com eles hoje em dia é uma grande honra. Foi uma das melhores coisas que aconteceram na minha vida", concluiu.