icons.title signature.placeholder Marcio Porto
08/06/2014
18:21

A Copa do Mundo é logo ali. O último domingo antes da abertura do Mundial de seleções mostra que o bairro de Itaquera, em São Paulo, já vive o clima da competição. Quem passou pela Arena Corinthians pôde observar: o local virou cartão postal da região e vive a expectativa pela estreia do Brasil no torneio.

A presença dos estrangeiros deu o tom. Era só olhar para o rosto de um brasileiro se deparando com um homem enrolado com a bandeira da Colômbia, ou com um casal de mexicanos utilizando o tradicional sombreiro, para perceber que a atmosfera de Itaquera ganhou o tal padrão Fifa. Quer dizer, nem tanto.

A organização da entidade máxima do futebol não necessariamente significa atração aos fãs. Muitos dos curiosos famintos pela casa do Corinthians esbarraram na estrutura montada e precisaram improvisar para registrar o momento.

É que os arredores da Arena estão isolados. Como era dia de teste geral, só podia se aproximar do estádio profissionais que estivessem credenciados. Quem não estava, então, deu seu jeito. Viadutos com visão mais privilegiada para o palco ficaram lotados. Valia tudo por imagem. Mas a situação fugiu do controle.

Carlos Mora veio ao Brasil a trabalho, mas está desfrutando (Crédito: Eduardo Viana)

As pessoas começaram a parar seus carros no meio dos viadutos, descendo para sacar as fotografias. A aglomeração gerou reação de policiais e guardas de trânsito, que passaram a multar quem estava parado em local proibido, prejudicando o fluxo de carros do local. Alguns dos infratores tentavam impedir a punição, alegando que sairiam na sequência, mas a caneta já estava passada.

Os gringos, que nada tiveram a ver com isso, preferiram caminhar pelo espaço. Colombianos, alemães, espanhois, colombianos e costarriquenhos foram vistos desfilando com bandeiras de seus países. Um deles era Carlos Mora, jornalista de Costa Rica, de 30 anos de idade. Ele veio para cobrir a Copa do Mundo, chegou a São Paulo neste sábado e já estava impressionado com o que viu.

- Gostei muito do estádio, é lindíssimo e parece que a infraestrutura está boa aqui. Também estou me sentindo seguro - declarou o repórter, que estará em todos os jogos da Costa Rica, contra Uruguai, Inglaterra e Itália, no grupo D.

O discurso vai um pouco na contramão daquele manifestado por parte da população brasileiras, em uma onda de protestos iniciada na Copa das Confederações do ano passado. O mexicano, Jair Rosales, de 29 anos, importador, reforçou a impressão, por incrível que pareça.

- Tudo muito bem - afirmou, ele que também vai assistir os jogos de sua seleção, que está no grupo do Brasil, com Croácia e Camarões.

Mexicanos também já estão no Brasil para acompanhar a Copa (Crédito: Eduardo Viana)

A observação dos colegas de fora pode estar relacionada ao pouco tempo em que estão no país. Porém, se a primeira impressão for a que fica, Itaquera conseguiu passar no teste. Quinta-feira é o definitivo, quando Brasil e Croácia abrirem o Mundial. Antes, neste domingo, as equipes sub-20 e sub-17 do Corinthians participaram do último teste. Está chegando a hora...