icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
09/07/2013
15:15

Como sempre, Nilmar é lembrado pelos lados do Beira-Rio. Criado no Internacional, identificado com o Internacional, campeão com o Internacional, o atacante, que atualmente defende o Al-Rayyan, do Qatar, é um dos alvos para suprir a iminente venda de Leandro Damião. Embora o presidente Giovanni Luigi negue propostas pelo camisa 9, os dirigentes trabalham com a ideia da saída do jogador, por conta do assédio constante nos últimos anos. Um encontro entre Nilmar, o diretor-executivo Newton Drummond e o empresário Orlando da Hora aconteceu em Porto Alegre.

- Nós estamos sempre monitorando o Nilmar. Ele tem um carinho enorme pelo clube, mas é muito difícil a vinda dele. Tenho conversado com o procurador e o sogro dele, um grande colorado. A tendência, porém, é ele ficar onde está - comentou o presidente Giovanni Luigi na Rádio Bandeiras, sem descartar a negociação.

Dunga sonha com Nilmar, mas teme por frustração

A reunião aconteceu após um almoço, durante as férias de Nilmar, que estava em Porto Alegre até esta terça-feira, quando viaja de volta para fazer a pré-temporada em seu clube. Um ponto que ajudaria na negociação seria o momento familiar do atacante: a esposa Laura está grávida de seu segundo filho. Pessoas próximas ao jogador relatam que o Al-Rayyan está satisfeito com o seu trabalho, e a recíproca também é verdadeira. Mas "nada é impossível", concluiu uma fonte da família do atleta ouvida pelo LANCE!Net.

Dunga não se entusiasma com a negociação. Apesar de elogiar Nilmar, convocado por ele para a Copa do Mundo de 2010, o treinador mantém a postura cautelosa já habitual. A negociação seria cara, já que o Inter precisaria comprar o jogador junto ao clube do Qatar. Um valor próximo de 6 milhões de euros. Domingo, D'Alessandro, Rafael Moura e Gabriel prestigiaram a festa de três anos da filha do atacante, Helena, em Porto Alegre.

- Qualquer clube gostaria de ter o Nilmar. Difícil é sonhar com o Nilmar, e ele não chegar. O trauma é maior - disse o técnico, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Como sempre, Nilmar é lembrado pelos lados do Beira-Rio. Criado no Internacional, identificado com o Internacional, campeão com o Internacional, o atacante, que atualmente defende o Al-Rayyan, do Qatar, é um dos alvos para suprir a iminente venda de Leandro Damião. Embora o presidente Giovanni Luigi negue propostas pelo camisa 9, os dirigentes trabalham com a ideia da saída do jogador, por conta do assédio constante nos últimos anos. Um encontro entre Nilmar, o diretor-executivo Newton Drummond e o empresário Orlando da Hora aconteceu em Porto Alegre.

- Nós estamos sempre monitorando o Nilmar. Ele tem um carinho enorme pelo clube, mas é muito difícil a vinda dele. Tenho conversado com o procurador e o sogro dele, um grande colorado. A tendência, porém, é ele ficar onde está - comentou o presidente Giovanni Luigi na Rádio Bandeiras, sem descartar a negociação.

Dunga sonha com Nilmar, mas teme por frustração

A reunião aconteceu após um almoço, durante as férias de Nilmar, que estava em Porto Alegre até esta terça-feira, quando viaja de volta para fazer a pré-temporada em seu clube. Um ponto que ajudaria na negociação seria o momento familiar do atacante: a esposa Laura está grávida de seu segundo filho. Pessoas próximas ao jogador relatam que o Al-Rayyan está satisfeito com o seu trabalho, e a recíproca também é verdadeira. Mas "nada é impossível", concluiu uma fonte da família do atleta ouvida pelo LANCE!Net.

Dunga não se entusiasma com a negociação. Apesar de elogiar Nilmar, convocado por ele para a Copa do Mundo de 2010, o treinador mantém a postura cautelosa já habitual. A negociação seria cara, já que o Inter precisaria comprar o jogador junto ao clube do Qatar. Um valor próximo de 6 milhões de euros. Domingo, D'Alessandro, Rafael Moura e Gabriel prestigiaram a festa de três anos da filha do atacante, Helena, em Porto Alegre.

- Qualquer clube gostaria de ter o Nilmar. Difícil é sonhar com o Nilmar, e ele não chegar. O trauma é maior - disse o técnico, em entrevista coletiva nesta terça-feira.