icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
27/12/2013
07:00

A Libertadores de 2014 será única no futebol mineiro. Apesar de reunir três títulos da competição, o estado nunca teve dois times representados na mesma edição do torneio. Mas graças ao título do Galo na Liberta e graças ao título nacional do Cruzeiro, os dois rivais viraram cabeças de chave nos grupos da próxima temporada.

O sucesso da dupla 'inimiga' traz de volta o sucesso obtido pelos dois na década de 1970. O Cruzeiro, tricampeão da Libertadores, venceu a edição de 1976, sendo o segundo time brasileiro, após o Santos de Pelé, a levantar o troféu. Naquela época, o Galo iniciaria os trabalhos da geração dourada com Reinaldo, Cerezo e companhia. Mas o Alvinegro nunca conseguiu transportar o sucesso a nível internacional (à exceção das viagens para a Europa que rendeu troféus tradicionais).

Houveram anos em que os dois rivais de Belo Horizonte poderíam estar na mesma Libertadores. Além dos anos de 70, quando o Alvinegro os dois times conseguiram vice-campeonatos brasileiros (não davam acesso à Libertadores), em 1997, o Cruzeiro foi bicampeão, mas o Galo não chegou a disputa, pois a conquista da Conmebol não dava vaga para o torneio continental, ao contrário da sua versão moderna, a Libertadores.

Inclusive, por falar em 1997, aquele ano deixa de ser o que simboliza o máximo sucesso mútuo dos rivais, sendo substituído justamente por 2013.