icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/03/2014
21:31

O programa 'Nota Show de Bola', que custará R$13,05 milhões aos cofres públicos do governo estadual de Goiás, sequer entrou em vigor em 2014, mas já há quem seja contrário a ele. A iniciativa que permite que torcedores goianos troquem notas fiscais por ingressos não agradou Hailé Pinheiro, Presidente do Conselho Deliberativo do Goiás, que se manifestou nesta segunda-feira.

Em declaração registrada pelo Portal 730, o dirigente esmeraldino explicou sua posição em relação ao projeto:

- Se eu sou governador, eu não fazia esse troço não. Isso não é ajudar o futebol. Se for pra ajudar, tem outras maneiras. Esse negócio de ingresso gera uma corrupção, gera uma confusão que a gente não aguenta, não dá conta de controlar. Prefiro que não tenha isso mesmo.

O projeto custeado pelo governo estadual de Goiás é feito em parceria com a Federação Goiana de Futebol e foi criado em 2009. Para a edição desse ano, visava atender jogos do Goianão e de times goianos nas séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro. O presidente da FGF, André Pitta, explicou por que o programa até agora não entrou em vigor:

- São vários itens do projeto que demoram a ser implementados. Como envolve o Governo Estadual, é preciso passar por uma burocracia e, infelizmente, isso levou mais tempo do que imaginamos. Mas a tendência é que a promoção saia ainda na primeira fase (do Campeonato Goiano).