icons.title signature.placeholder VINÍCIUS PERAZZINI
18/06/2014
17:41

A Copa do Mundo também esquentou o turismo em Olinda, cidade vizinha a Recife. O LANCE!Net foi até a 'terra dos bonecos gigantes' e lá conversou com o guia Genilson Rodrigues de Andrade, presidente da Associação de Condutores Nativos de Olinda. O profissional comemorou a chegada de novos clientes, mas revelou que já colocou um alemão 'para correr' após ele pedir auxílio por turismo sexual.

- Um alemão, que veio ver a Copa, chegou e perguntou: 'Onde estão as mulheres do Brasil, as mulheres para a gente pegar?' Respondi que não trabalho com turismo sexual, mas sim com a cultura local. Na hora, falei: 'Saia daqui!' - contou Genilson.

E MAIS
> Costa Rica chega ao Recife fazendo bonito dentro e fora de campo

Genilson também falou sobre a existência de 'guias piratas' em Olinda, que não são credenciados e cobram quantias abusivas aos turistas.

- Hoje há muitos 'guias piratas' no mercado. Eles cobram muito, chegam a extorquir até R$ 400 dos visitantes. São pessoas com péssimas intenções. A prefeitura está buscando tirar esses infratores das ruas - destacou Genilson.

A Associação de Condutores Nativos de Olinda cobra R$ 100 para um passeio de duas horas com um casal estrangeiro e a metade do valor para um casal brasileiro. Genilson justificou a diferença:

- Somos 80 guias e somente dez falam inglês. O mercado de Olinda dispõe de poucos guias bilingues, então há esta cobrança maior.

A associação é formada por remanescentes ou sucessores dos antigos Guias Mirins, grupos de crianças e adolescentes humildes existentes em Olinda nos anos 80. Genilson, inclusive, é um dos garotos que cresceram e se profissionalizaram.

- Venho de um bairro muito perigoso. Tive a chance de ser líder de uma facção criminosa, mas trabalhar com correção me fez ter orgulho, uma filha e esposa. Sou bem estabilizado graças aos turistas. Eu exploro o turismo, não o turista - afirmou Genilson.