icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
icons.title signature.placeholder Eduardo Moura
15/07/2013
07:00

Não poderia ser diferente. A chegada de Renato Portaluppi ao Grêmio movimentou não só o grupo em campo como também a torcida. E, por consequência, o Departamento de Marketing. O anúncio da contratação do ídolo como técnico fez estourar as vendas da camisa retrô alusiva ao Mundial de 1983 e obrigou o clube a fazer pedido de urgência de mais de mil peças. Além disso, uma série de homenagens ao treinador e ex-jogadores está prevista para o jogo com o Fluminense, dia 28 de julho, quando o primeiro título da Libertadores comemora 30 anos.

A vestimenta passou a ser a mais vendida das lojas após a confirmação de Renato como treinador. A mesma camiseta recebida das mãos do presidente Fábio Koff na apresentação. Além disso, outros produtos que utilizem a grife do treinador podem ser lançados em breve. O diretor-executivo da pasta, Beto Carvalho, analisa o que pode ser feito utilizando-o. Na primeira semana de clube do treinador, foram vendidas mais de 300 camisetas retrô. A média mensal é de 160. Em relação ao faturamento total da loja, o período apresenta um incremento de 20% na comparação com o mesmo período de 2012.

- O Grêmio vai saber e quer utilizar da melhor forma o Renato, é um ídolo. Estamos analisando que tipo de ação podemos fazer. Principalmente na captação de sócios. É um produto muito sólido, usar da melhor maneira possível – disse ao LANCE!Net.

Uma ação já está confirmada: o clube irá homenagear os campeões da Libertadores antes do jogo com o Fluminense, no dia 28 de julho, na Arena. Além de Renato, outros ícones da época serão chamados, segundo o executivo. O mesmo irá acontecer para a comemoração dos 30 anos do título mundial, no final do ano.

A presença de Renato no clube também vai ser utilizada para aumentar a frequência de torcedores na Arena. Os dirigentes tentam achar um modo de usá-lo novamente como garoto-propaganda, como já aconteceu na primeira passagem, para resgatar sócios. Atualmente, o clube tem cerca de 72 mil associados – e a contratação do ídolo para comandar o time já teve impacto neste número.

Durante a Libertadores, o clube gaúcho fez algumas ações no entorno da Arena para aumentar o relacionamento com a torcida. Entregou tapa-olhos do Pirata, com o número 28. Pintou o rosto de torcedores e colocou bandas na área de convivência da Arena – algo que aconteceu neste domingo, também.

 


Com a palavra, Renato Gaúcho, técnico e ídolo do Grêmio

 

Eu fico feliz, mas o meu trabalho é ajeitar o grupo, o time e buscar os resultados para a gente estar sempre no G-4. Fico contente e feliz mesmo pelo torcedor estar procurando a minha camisa, mas o torcedor está cheio de ídolos [na equipe]. O importante é fazer o meu trabalho, mas me sinto muito feliz pelo reconhecimento da torcida. Até porque, se o torcedor está reconhecendo é porque muita coisa eu fiz por esse clube. Fico feliz por isso. Não adianta jogar 10 anos em um clube e não fazer história. Graças a Deus, consegui fazer história e muita nesse clube



Bate-Bola com Beto Carvalho, executivo de marketing do Grêmio

Como usar a imagem de Renato neste retorno?
Obviamente que ele é um ídolo, historicamente é um dos maiores ídolos. O Grêmio vai saber e quer utilizar da melhor forma. Estamos analisando, de que tipo de ação. Principalmente na captação de sócios, estamos vendo a chance de que se pode fazer. É um produto muito sólido, usar da melhor maneira possível. Como usamos jogadores em outras ações.

Mas não há nada planejado ainda?
Não vou dizer isso porque temos que analisar bem como fazer, o que fazer, a forma de fazer. Como ídolo que é, a imagem e a força dele são importantes que seja usado. A forma é que estamos analisando.

Estamos analisando ações de relacionamento da torcida. Vamos ter no dia 28 de julho, é o dia que o Grêmio faz aniversário da Libertadores.

Algo como uma festa para comemorar a data?
Estamos já vendo algumas ações, envolvendo inclusive jogadores da época, entre os quais o próprio Renato. Vamos fazer ações para comemorar essa data, temos que usar isso da melhor maneira. Ações do próprio jogo, em torno do jogo (com o Fluminense, dia 28, na Arena), da esplanada, tem mais coisas. E também dentro do jogo. O que nós queremos é que seja um evento que marque para os gremistas.

A venda de camisetas retrô, após a apresentação dele, melhorou?
Estourou, nessa semana que ele chegou, tivemos de venda de camisa retrô, a sete do Mundial, que já era tida, vendeu mais de mil camisas, foi um número muito expressivo, tinha tido um problema de estoque, mas já temos a reposição. Foi muito forte a venda dessas camisetas.

Ele será garoto-propaganda para angariar sócios?
Estamos canalizando tudo porque tem que ser ações estruturadas. Já há uma certa aura com isso, temos alguns eventos para nós importantes, que são vinculados a ele. Temos o aniversário da Libertadores e Mundial. E ele foi o grande ícone desse momento. Óbvio que nas ações que estamos pensando, a ideia é de tê-lo.

Após a resolução da renegociação com a Arena, ele pode também ser fundamental neste ponto, não?
Já mostrou muito a força, a identidade. Naquele dia do primeiro treino, levou 5 mil pessoas. A aura dele, ajudará muito na questão Grêmio-Arena. Tornar o estádio de maneira sólida e forte, dar a Arena a alma que queremos.

Não poderia ser diferente. A chegada de Renato Portaluppi ao Grêmio movimentou não só o grupo em campo como também a torcida. E, por consequência, o Departamento de Marketing. O anúncio da contratação do ídolo como técnico fez estourar as vendas da camisa retrô alusiva ao Mundial de 1983 e obrigou o clube a fazer pedido de urgência de mais de mil peças. Além disso, uma série de homenagens ao treinador e ex-jogadores está prevista para o jogo com o Fluminense, dia 28 de julho, quando o primeiro título da Libertadores comemora 30 anos.

A vestimenta passou a ser a mais vendida das lojas após a confirmação de Renato como treinador. A mesma camiseta recebida das mãos do presidente Fábio Koff na apresentação. Além disso, outros produtos que utilizem a grife do treinador podem ser lançados em breve. O diretor-executivo da pasta, Beto Carvalho, analisa o que pode ser feito utilizando-o. Na primeira semana de clube do treinador, foram vendidas mais de 300 camisetas retrô. A média mensal é de 160. Em relação ao faturamento total da loja, o período apresenta um incremento de 20% na comparação com o mesmo período de 2012.

- O Grêmio vai saber e quer utilizar da melhor forma o Renato, é um ídolo. Estamos analisando que tipo de ação podemos fazer. Principalmente na captação de sócios. É um produto muito sólido, usar da melhor maneira possível – disse ao LANCE!Net.

Uma ação já está confirmada: o clube irá homenagear os campeões da Libertadores antes do jogo com o Fluminense, no dia 28 de julho, na Arena. Além de Renato, outros ícones da época serão chamados, segundo o executivo. O mesmo irá acontecer para a comemoração dos 30 anos do título mundial, no final do ano.

A presença de Renato no clube também vai ser utilizada para aumentar a frequência de torcedores na Arena. Os dirigentes tentam achar um modo de usá-lo novamente como garoto-propaganda, como já aconteceu na primeira passagem, para resgatar sócios. Atualmente, o clube tem cerca de 72 mil associados – e a contratação do ídolo para comandar o time já teve impacto neste número.

Durante a Libertadores, o clube gaúcho fez algumas ações no entorno da Arena para aumentar o relacionamento com a torcida. Entregou tapa-olhos do Pirata, com o número 28. Pintou o rosto de torcedores e colocou bandas na área de convivência da Arena – algo que aconteceu neste domingo, também.

 


Com a palavra, Renato Gaúcho, técnico e ídolo do Grêmio

 

Eu fico feliz, mas o meu trabalho é ajeitar o grupo, o time e buscar os resultados para a gente estar sempre no G-4. Fico contente e feliz mesmo pelo torcedor estar procurando a minha camisa, mas o torcedor está cheio de ídolos [na equipe]. O importante é fazer o meu trabalho, mas me sinto muito feliz pelo reconhecimento da torcida. Até porque, se o torcedor está reconhecendo é porque muita coisa eu fiz por esse clube. Fico feliz por isso. Não adianta jogar 10 anos em um clube e não fazer história. Graças a Deus, consegui fazer história e muita nesse clube



Bate-Bola com Beto Carvalho, executivo de marketing do Grêmio

Como usar a imagem de Renato neste retorno?
Obviamente que ele é um ídolo, historicamente é um dos maiores ídolos. O Grêmio vai saber e quer utilizar da melhor forma. Estamos analisando, de que tipo de ação. Principalmente na captação de sócios, estamos vendo a chance de que se pode fazer. É um produto muito sólido, usar da melhor maneira possível. Como usamos jogadores em outras ações.

Mas não há nada planejado ainda?
Não vou dizer isso porque temos que analisar bem como fazer, o que fazer, a forma de fazer. Como ídolo que é, a imagem e a força dele são importantes que seja usado. A forma é que estamos analisando.

Estamos analisando ações de relacionamento da torcida. Vamos ter no dia 28 de julho, é o dia que o Grêmio faz aniversário da Libertadores.

Algo como uma festa para comemorar a data?
Estamos já vendo algumas ações, envolvendo inclusive jogadores da época, entre os quais o próprio Renato. Vamos fazer ações para comemorar essa data, temos que usar isso da melhor maneira. Ações do próprio jogo, em torno do jogo (com o Fluminense, dia 28, na Arena), da esplanada, tem mais coisas. E também dentro do jogo. O que nós queremos é que seja um evento que marque para os gremistas.

A venda de camisetas retrô, após a apresentação dele, melhorou?
Estourou, nessa semana que ele chegou, tivemos de venda de camisa retrô, a sete do Mundial, que já era tida, vendeu mais de mil camisas, foi um número muito expressivo, tinha tido um problema de estoque, mas já temos a reposição. Foi muito forte a venda dessas camisetas.

Ele será garoto-propaganda para angariar sócios?
Estamos canalizando tudo porque tem que ser ações estruturadas. Já há uma certa aura com isso, temos alguns eventos para nós importantes, que são vinculados a ele. Temos o aniversário da Libertadores e Mundial. E ele foi o grande ícone desse momento. Óbvio que nas ações que estamos pensando, a ideia é de tê-lo.

Após a resolução da renegociação com a Arena, ele pode também ser fundamental neste ponto, não?
Já mostrou muito a força, a identidade. Naquele dia do primeiro treino, levou 5 mil pessoas. A aura dele, ajudará muito na questão Grêmio-Arena. Tornar o estádio de maneira sólida e forte, dar a Arena a alma que queremos.