icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/07/2014
12:59

Adversária do Brasil nas quartas-de-final, a Colômbia está confiante para o confronto desta sexta-feira. A euforia dos torcedores colombianos são enormes, visto que é cada vez mais comuns encontrar pessoas nas ruas com as camisas da Seleção, em Bogotá. Em contrapartida, o governo colombiano está preocupado com as ondas de violências que têm se espalhado pelo País. De acordo com o Jornal Colombiano El Periódico Deportivo, as autoridades vetaram à venda de bebida alcoólica por todo território nacional, assim como o uso de espumas em dias de jogos.

Segundo a polícia local, no último sábado, quando os Los Cafeteros enfrentaram o Uruguai nas oitavas-de-final, houve 3261 brigas e 34 pessoas ficaram feridas. A única cidade que se livrou da restrição imposta pelo governo foi Medellín - segunda maior cidade do País. No entanto, terá redução de veículos nos principais pontos da cidade. De acordo com a publicação, nos primeiros jogos da Colômbia na Copa do Mundo, ocorreu várias mortes. O número de torcedores que morreram, ainda não foi divulgado.

O comerciante Gustavo Díaz, declarou que o movimento em seu estabelecimento caiu bastante durante a Copa do Mundo. Apesar de estar insatisfeito com a restrição adotada pelo governo, Díaz reforçou a torcida pela Seleção e caso a Colômbia avance até a grande final, o desejo do proprietário é enfrentar a Argentina na decisão.

- A Copa do Mundo não está sendo bom para nós. Os vendedores ambulantes estão lucrando mais do que a gente, porque reformamos o local para a população comprar comida, bebida, entre outras coisas. O movimento caiu em torno de 80% - disse, em entrevista ao jornal colombiano.