icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Rodrigo Vessoni e Thiago Salata
icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Rodrigo Vessoni e Thiago Salata
01/07/2013
10:36

A inesperada goleada da Seleção Brasileira diante da Espanha, por 3 a 0, no Maracanã, não apenas deu o tetracampeonato da Copa das Confederações, como derrubou algumas marcas incríveis da equipe campeã mundial e bicampeã da Europa, levantadas pelo jornal "El País".

A começar pela derrota em si. A seleção espanhola não perdia uma partida desde o dia 10 de agosto de 2001. Na ocasião, os comandados de Del Bosque caíram diante da Itália, em Bari, em confronto amistoso. Em jogo oficial, o último revés foi ainda mais atrás, mais precisamente na Copa do Mundo da África do Sul, para a Suíça, por 1 a 0 - espanhóis terminariam campeões naquela competição.

Mais um dado que chama atenção dessa goleada brasileira é o placar. A Espanha não recebia três gols numa partida oficial desde o último dia 6 de setembro de 2006, quando perdeu da Irlanda do Norte, por 3 a 2. Em relação à diferença de três gols, a última vez que os espanhóis perderam por tanto numa partida oficial foi em abril de 1985, quando caíram para o País de Gales, pelo mesmo placar obtido por Fred, Neymar, Felipão & Cia.

Se levar em consideração apenas à era Del Bosque, a goleada brasileira ficou próxima dos dois resultados piores da equipe com o treinador, que foram um 4 a 0 para Portugal, em Lisboa, e um 4 a 1 para a Argentina, em Buenos Aires, em amistosos disputados antes da conquista da Copa de 2010.

O trinfo da Seleção Brasileira no Maracanã derrubou ainda outros números impressionantes dos atuais campeões mundiais e bicampeões europeus. A expulsão de Piqué é um exemplo disso. Há nada menos do que 91 partidas um jogador da Fúria não recebia cartão vermelho. Foi a segunda expulsão em 13 anos, já que a anterior foi de Xabi Alonso diante da Islândia, em setembro de 2007. A equipe de Del Bosque estava perto de quebrar um recorde, já que entre os anos de 1925 e 1965, a Espanha chegou a ficar 134 partidas sem expulsões.

De acordo com o jornal espanhol, seis jogadores diferentes bateram os últimos sete pênaltis da equipe no tempo normal. São eles: Xabi, Villa, Soldado, Cesc, Torres e Sergio Ramos, que perdeu neste domingo, diante de Julio César e uma enorme pressão da torcida brasileira no Maracanã. Das sete cobranças, quatro erros e três acertos. Sob o comando do técnico Del Bosque, foi o 10º erro em 22 cobranças de pênalti.

A inesperada goleada da Seleção Brasileira diante da Espanha, por 3 a 0, no Maracanã, não apenas deu o tetracampeonato da Copa das Confederações, como derrubou algumas marcas incríveis da equipe campeã mundial e bicampeã da Europa, levantadas pelo jornal "El País".

A começar pela derrota em si. A seleção espanhola não perdia uma partida desde o dia 10 de agosto de 2001. Na ocasião, os comandados de Del Bosque caíram diante da Itália, em Bari, em confronto amistoso. Em jogo oficial, o último revés foi ainda mais atrás, mais precisamente na Copa do Mundo da África do Sul, para a Suíça, por 1 a 0 - espanhóis terminariam campeões naquela competição.

Mais um dado que chama atenção dessa goleada brasileira é o placar. A Espanha não recebia três gols numa partida oficial desde o último dia 6 de setembro de 2006, quando perdeu da Irlanda do Norte, por 3 a 2. Em relação à diferença de três gols, a última vez que os espanhóis perderam por tanto numa partida oficial foi em abril de 1985, quando caíram para o País de Gales, pelo mesmo placar obtido por Fred, Neymar, Felipão & Cia.

Se levar em consideração apenas à era Del Bosque, a goleada brasileira ficou próxima dos dois resultados piores da equipe com o treinador, que foram um 4 a 0 para Portugal, em Lisboa, e um 4 a 1 para a Argentina, em Buenos Aires, em amistosos disputados antes da conquista da Copa de 2010.

O trinfo da Seleção Brasileira no Maracanã derrubou ainda outros números impressionantes dos atuais campeões mundiais e bicampeões europeus. A expulsão de Piqué é um exemplo disso. Há nada menos do que 91 partidas um jogador da Fúria não recebia cartão vermelho. Foi a segunda expulsão em 13 anos, já que a anterior foi de Xabi Alonso diante da Islândia, em setembro de 2007. A equipe de Del Bosque estava perto de quebrar um recorde, já que entre os anos de 1925 e 1965, a Espanha chegou a ficar 134 partidas sem expulsões.

De acordo com o jornal espanhol, seis jogadores diferentes bateram os últimos sete pênaltis da equipe no tempo normal. São eles: Xabi, Villa, Soldado, Cesc, Torres e Sergio Ramos, que perdeu neste domingo, diante de Julio César e uma enorme pressão da torcida brasileira no Maracanã. Das sete cobranças, quatro erros e três acertos. Sob o comando do técnico Del Bosque, foi o 10º erro em 22 cobranças de pênalti.