icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/11/2013
20:31

Gilson Kleina não quis estender o principal assunto na Academia de Futebol desta semana que passou: as surpreendentes declarações de Valdivia, que colocou na conta do treinador o fato de ele ter feito apenas nove jogos completos na temporada - o Verdão se apresentou 63 vezes. A conta já inclui o empate em 1 a 1 com o Paraná, neste sábado, em Curitiba (PR).

– (A performance) Não depende de jogar o tempo todo, penso no desempenho, nível de atuação. Ele foi resgatado. Tecnicamente é gênio, faz diferença e não queremos levantar qualquer polêmica. Todos têm que ter o sentimento de jogar todo o tempo, mas nós achamos melhor fazer o monitoramento (de Valdivia) – ponderou o treinador.

O planejamento antilesão reduziu a carga de treinos e jogos do camisa 10 pelo Verdão. As atuações do meia voltaram a empolgar parte da torcida e Jorge Sampaoli, técnico do Chile, que reabriu as portas da seleção para Valdivia.

Por outro lado, integrantes da comissão técnica se queixam de que o chileno tem dado prioridade às partidas pelo seu país, com vaga garantida na Copa. Ele nega.

– O que mais me motivou foi essa dívida com o Palmeiras, com a torcida, de levar junto com os outros jogadores o Palmeiras de volta para a Série A. Essa foi minha maior motivação e junto com ela veio a minha chance de voltar para a seleção – declarou na quinta.

Após panos quentes de Kleina, Valdivia tem de suportar as críticas da Mancha Alviverde, principal organizada do clube que cobra mais comprometimento do atleta.