icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/07/2013
14:08

O Atlético-MG tentou consolidar o seu plano B para jogar a segunda partida da final da Copa Libertadores. Mas a reunião entre o clube e a Minas Arena - consórcio do Mineirão - apenas aumentou a vontade do Alvinegro em conseguir levar o mando de campo para o Independência. Segundo informações do jornalista João Vitor Xavier, da Rádio Itatiaia, Kalil não gostou dos termos da negociação.

Assim sendo, a torcida do Galo segue sem saber quando começará a venda de ingressos para o duelo de volta contra o Olimpia, já que precisa-se, primeiro, decidir qual o lugar da partida, já que há uma grande diferença de carga de ingressos, dependendo da escolha (no Mineirão cabem 64 mil, já no Horto a capacidade é de 23 mil lugares).

Recentemente, a Minas Arena mudou de diretoria. E o Galo topa até ir ao Ministério Público para garantir o uso do estacionamento do Novo Mineirão, assim como outros aspectos comerciais. Porém, o pensamengo da cúpula alvinegra é que a intervenção da CBF junto à Conmebol, para garantir o Independência como palco da finalíssima, seja concretizado.

E mais:
Marin dá a entender que Ronaldinho não volta à Seleção
Cuca considera Corinthians favorito, mas quer fazer 'bom jogo'

Kalil mantém as esperanças de jogar no Horto, sob o argumento de que o Defensores del Chaco também não possui os 40 mil lugares, conforme segue o regulamento da Copa Libertadores. O tamanho do estádio paraguaio, oficialmente, é de 36 mil de capacidade. O presidente já havia encaminhado um ofício com vários documentos solicitando, bem antes da final da competição, que a Conmebol aceitasse o Independência como casa que comporte uma decisão da Libertadores.

Atualizada às 14h28*

O Atlético-MG tentou consolidar o seu plano B para jogar a segunda partida da final da Copa Libertadores. Mas a reunião entre o clube e a Minas Arena - consórcio do Mineirão - apenas aumentou a vontade do Alvinegro em conseguir levar o mando de campo para o Independência. Segundo informações do jornalista João Vitor Xavier, da Rádio Itatiaia, Kalil não gostou dos termos da negociação.

Assim sendo, a torcida do Galo segue sem saber quando começará a venda de ingressos para o duelo de volta contra o Olimpia, já que precisa-se, primeiro, decidir qual o lugar da partida, já que há uma grande diferença de carga de ingressos, dependendo da escolha (no Mineirão cabem 64 mil, já no Horto a capacidade é de 23 mil lugares).

Recentemente, a Minas Arena mudou de diretoria. E o Galo topa até ir ao Ministério Público para garantir o uso do estacionamento do Novo Mineirão, assim como outros aspectos comerciais. Porém, o pensamengo da cúpula alvinegra é que a intervenção da CBF junto à Conmebol, para garantir o Independência como palco da finalíssima, seja concretizado.

E mais:
Marin dá a entender que Ronaldinho não volta à Seleção
Cuca considera Corinthians favorito, mas quer fazer 'bom jogo'

Kalil mantém as esperanças de jogar no Horto, sob o argumento de que o Defensores del Chaco também não possui os 40 mil lugares, conforme segue o regulamento da Copa Libertadores. O tamanho do estádio paraguaio, oficialmente, é de 36 mil de capacidade. O presidente já havia encaminhado um ofício com vários documentos solicitando, bem antes da final da competição, que a Conmebol aceitasse o Independência como casa que comporte uma decisão da Libertadores.

Atualizada às 14h28*