icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/02/2015
08:38

O conceito de inspiração, na língua portuguesa, remete a uma elevada admiração diante de determinada coisa ou situação. No atual Flamengo, o modelo ideal, que tem norteado Vanderlei Luxemburgo, é nada mais, nada menos, que o maior time da história do clube: o de 1981. Então com 29 anos, o treinador se encantou pela qualidade de um meio formado com Andrade, Adílio e Zico, sem volantes de muita marcação e com um toque de bola envolvente. Prova disso é que ele tenta com Canteros, Márcio Araújo, Everton e Arthur Maia repetir o estilo, já que a qualidade dificilmente será igualada.

– Lembro de Andrade, Adílio e Zico. Que volante tinha? Times como esse servem de inspiração. Sempre falei: quem tem que começar o jogo são os volantes porque têm uma marcação mais frouxa. O volante de qualidade começa a desmontar o adversário. Falamos há anos disso. A melhor marcação é ter a bola no pé e fazer o time adversário se preocupar. Se você joga com a bola, tendo cerca de 60% ou mais de posse, você passa pouco perrengue – afirmou Vanderlei Luxemburgo, em coletiva após a vitória por 5 a 1 sobre a Cabofriense.

E MAIS!
> Léo Moura volta a treinar com bola após lesão contra o Macaé
> Lesão é constatada e Anderson Pico passará por operação

Pelo menos nesse início de ano, Luxemburgo tem comprovado que a ideia de colocar em campo um time mais leve e com melhor toque de bola é interessante. Com 12 gols, o Rubro-Negro tem o melhor ataque da competição. Tendo sofrido apenas três gols, o posicionamento defensivo também não é um grande problema para o treinador.

Se a qualidade dos atuais nomes não passa perto da dos de 81, Luxemburgo tenta compensar isso com muita movimentação. Os quatro nomes da frente: Gabriel (ou Nixon), Everton, Arthur Maia e Marcelo Cirino não guardam posição e constantemente abrem espaços para companheiros aparecerem.

Ao contrário de Zico e companhia, o atual Rubro-Negro se tornou um especialista em contra-ataques. Na quarta-feira, contra a Cabofriense, foram dois gols desta forma (os marcados por Eduardo da Silva e Alecsandro) e a sensação de que o time é praticamente incansável. Se Luxa conseguir unir esta virtude física com um pouco da qualidade do time de 81, o Fla será uma equipe muito forte!