icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
20/11/2013
09:13

Cabisbaixo, com o olhar fixado no gramado da Vila Belmiro, Lucas Otávio não parava de balançar a cabeça em sinal positivo. No encontro com Clodoaldo, um dos maiores ídolos da história do Santos, o jovem volante fez questão de mais ouvir do que falar. Quando abriu a boca, foi para concordar com o ex-atleta e agradecer.

Na última segunda-feira, passado, presente e possivelmente futuro do Peixe ficaram frente a frente no templo santista. Às vésperas da decisão da Copa do Brasil Sub-20, o LANCE!Net reuniu os volantes alvinegros para um bate-papo e, sobretudo, conselhos e histórias de Corró.

Com a voz sempre serena e em tom paternal, Clodoaldo disse para Lucas sempre cuidar de seu preparo físico, cultivar boas amizade no futebol e obedecer as orientações de seus técnicos. Também falou para o garoto de 19 anos ter paciência para subir ao profissional, mas projetou uma rápida ascensão dele.

Ouvindo elogios e até comparações com o próprio Clodoaldo, Lucas sorriu, mas adotou discurso cauteloso. De volta à equipe após cumprir suspensão, ele é um dos destaques do Santos, que encara o Criciúma hoje, às 18h, no Heriberto Hulse, em Santa Catarina. Como venceu semana passada, na Vila Belmiro, por 2 a 0, o Peixe pode até perder por um gol de diferença. Além disso, gol marcado fora de casa é critério de desempate.

– É o título que me falta – lembrou Lucas, campeão paulista sub-15, 17, 20 e da Copa São Paulo.

O título dará a vaga ao Peixe na Libertadores Sub-20 do ano que vem, mas Lucas prefere não disputá-la. Afinal, ele não vê a hora de subir aos profissionais, onde terá forte concorrência: Alan Santos, Alison, Arouca, Leandrinho, Renê Júnior... A missão é difícil, mas o garoto pretende usar a versatilidade – pode jogar de primeiro o segundo volante – para levar vantagem.

Embora empolgado, Lucas teve de abreviar a conversa com Clodoaldo, pois se aproximava o horário do segundo treino do dia. Antes de partir, abraçou o ídolo santista e ouviu um último pedido de Corró.

– Boa viagem, bom jogo e traga o título para a gente, hein!

Confira o bate-bola com Clodoaldo:

O que acha do Lucas Otávio? Pensa que ele está pronto para subir ao profissional?
Eu gosto do estilo dele. Quando o Lucas tiver uma oportunidade, acho até que ele pode jogar com o Alison, pois além de boa marcação e senso de cobertura, sabe sair para o jogo. Vem demonstrando que está pronto.

Há quem diga que ele pareça com você...
Sempre que alguém comenta da base do Santos, perguntam do Lucas para mim, e eu elogio. Ele tem muita qualidade, tenho certeza que é um dos Meninos da Vila que vai brilhar em 2014. “Ele tem seu jeitinho“, dizem uns amigos. Acho bacana, mas ele tem estilo próprio. Espero que ganhe, pelo menos, metade dos títulos que ganhei (risos).

Quais dicas pode dar a ele?
Depende do que o técnico desenha taticamente. O que posso dizer é que não basta estar 100% fisicamente, tem que estar além. É preciso também ter humildade e buscar seus objetivos. Não pode esquecer das amizades, da família, o companheirismo... Isso vai torná-lo querido no grupo de jogadores.


Confira o bate-bola com Lucas Otávio:

Você já jogou de primeiro e segundo volante. Como prefere ser escalado?
Eu gosto mais de jogar de segundo volante, prefiro sair para o jogo. Mas não vejo problema nenhum de jogar mais recuado.

O que achou dos conselhos do Corró?
Eu só tenho a agradecer os elogios do Clodoaldo. Não consegui acompanhar a carreira dele, mas minha família é toda santista, meu padrinho, avô, pai... Eles sempre disseram que meu estilo é parecido com o dele. É uma responsabilidade imensa e tenho que responder a isso da melhor maneira.

Está ansioso para subir ao profissional?
Tenho que ter a cabeça no lugar, humilde e agarrar as oportunidades. Se jogar a Libertadores do ano que vem, vai ser o meu primeiro campeonato internacional.

O Peixe é favorito contra o Criciúma?
A vantagem que a gente construiu em casa foi muito boa, mas na semi foi totalmente diferente e conseguimos reverter. Temos que jogar com tranquilidade e seriedade.