icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/07/2014
11:15

A Fifa reforçou nesta sexta-feira a intenção da entidade em manter a Rússia como sede da Copa do Mundo de 2018. A posição da entidade chega um dia após o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Wolfgang Niersbach, ter declarado que a Alemanha deveria ser a sede do próximo Mundial por conta da crise política envolvendo Rússia e Ucrânia na região de fronteira entre os dois países.

- A Fifa está convencida que, através do futebol, particularmente da Copa do Mundo, podemos conseguir mudanças positivas no mundo. Porém o futebol não pode ser visto como uma solução para todos os temas, particularmente aqueles relacionados com o mundo da política. A Fifa acredita que este será o caso da Copa do Mundo de 2018 - defendeu a Fifa através de uma nota oficial.

A crise envolvendo Rússia e Ucrânia atingiu um ponto crítico após a derrubada do avião de passageiros da Malaysian Airlines, que causou a morte de 298 pessoas, quando este sobrevoava o Leste ucraniano. A região é palco de combates entre as forças militares da Ucrânia e rebeldes pró-Rússia.

Além da questão da Alemanha, a Federação de Futebol da Holanda (KNVB) também havia dado a entender que poderia boicotar a Copa de 2018 pelo fato da maior parte dos passageiros do avião derrubado serem de sua nacionalidade. O voo ia de Amsterdã, capital da Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia.