icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes, Maurício Oliveira e Thiago Salata
25/06/2014
10:07

A convicção com a qual Luiz Felipe Scolari bancou o time base na véspera do jogo contra Camarões já não é mais a mesma para o confroto das oitavas de final diante do Chile. Após a vitória por 4 a 1, o técnico mostrou ter dúvidas, remontando a um episódio semelhante ocorrido na Copa do Mundo de 2002.

Felipão não acenou se realmente fará mudanças e também não sinalizou qual setor poderia ter novidades, mas adiantou que a própria maneira de o adversário jogar pode provocar alguma alteração do sistema.

- Não sei, vou analisar os jogos e tirar essa adrenalina toda do corpo. Vou observar vídeo, ver jogadas de novo, pode ser que eu interprete de novo. Vamos analisar o Chile, mudar horários de treinamento, para chegarmos tranquilos no jogo de sábado e com a melhor equipe - comentou o técnico.

Cotado para ser o novo titular, Fernandinho pode repetir a trajetória de Kleberson na campanha do pentacampeonato também sob o comando de Felipão. Reserva no início do torneio, o volante ganhou a primeira oportunidade para jogar no último jogo da fase de grupos, entrando no segundo tempo da goleada do Brasil sobre a Costa Rica por 5 a 2.

No confronto seguinte, pelas oitavas de final contra Bélgica, a Seleção venceu por 2 a 0 e o jogador novamente ganhou mais uma chance, substituindo Ronaldinho Gaúcho na etapa final. Na sequência, já nas quartas de final, Kleberson apareceu como titular na vaga de Juninho Paulista. Contra a Inglaterra teve boa atuação, justificando a aposta de Felipão.

A história de 2002 é de conhecimento de Fernandinho. Sem se apegar a essa coincidência, porém, o volante prega trabalho para trilhar o próprio caminho na Seleção na Copa do Brasil.

- Tomara que essa história seja válida para mim e para a Seleção. Mas não adianta apenas se basear nisso. Temos de fazer acontecer nos treinos e nos jogos - disse o jogador.