icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
14/11/2014
19:43

A FIVB (Federação Internacional de Voleibol) confirmou oficialmente nesta sexta-feira o título das brasileiras Juliana e Maria Elisa no Circuito Mundial 2014. A dupla somou seis medalhas ao longo do ano em 14 etapas disputadas, e foi campeã justamente na estreia no ‘tour’ que reúne Grand Slams e Opens nos cinco continentes. O resultado mantém uma hegemonia brasileira: desde 2002, nenhum outro país consegue o título no feminino.

Com 6.740 pontos, mais de mil acima das vice-líderes do ranking, as também brasileiras Ágatha e Bárbara Seixas, Juliana e Maria Elisa não poderiam mais ser alcançadas. Resta apenas um Open no calendário do Circuito Mundial 2014, na África do Sul, que distribui 500 pontos ao campeão. Por conta disso, o time já comemorava a conquista há algumas semanas. É a 20ª vez que uma dupla brasileira vence o circuito no feminino.

A marca é um recorde particular para Juliana, que com oito conquistas se torna a brasileira com maior número de títulos do Circuito Mundial, ultrapassando a ex-jogadora Shelda, e Larissa, ex-parceira com quem ela havia conquistado os outros sete títulos. O recorde foi motivo de comemoração, mas a santista radicada em Fortaleza diz que o principal é o resultado coletivo.

- Alguém me falou sobre esse recorde, esses números são sempre importantes, bons, mas servem mais como um norte. Vai muito além do lado pessoal, pois estamos pensando na Olimpíada de 2016. Fazem com que você sinta que o esforço está no caminho certo. Me sinto lisonjeada, mas a ficha não caiu ainda. Acho que meus amigos e minha família vão curtir mais esse momento, e talvez só daqui alguns anos eu me dê conta disso - destacou Juliana.

Para Maria Elisa, que conquista pela primeira vez o Circuito Mundial, a presença da técnica Letícia Pessoa foi fundamental para o resultado final. Ela junta o título ao do Circuito Banco do Brasil de 2009, entrando para uma seleta galeria de campeãs.

- Quando a Letícia aceitou a proposta de trabalhar conosco foi nossa medalha de ouro. A entrada dela no projeto talvez tenha sido o momento mais marcante desta caminhada. Acreditou muito na nossa capacidade desde o começo, por isso estou muito feliz. Por ter sido com as pessoas que foram. E a Juliana é uma merecedora, foi uma grande parceira. Tivemos propostas para mudar de dupla, mas sempre continuamos focadas no trabalho, em crescermos cada vez mais - destacou a jogadora fluminense.

Para Juliana, o momento mais especial da caminhada foi a medalha de ouro na etapa de Xiamen, na China. Justamente onde a caminha começou, na etapa de Fuzhou, no início de 2014.

- Estava sem jogar o Circuito Mundial há um ano, começamos do qualifying, um pouco desacreditadas, e logo fomos para o pódio na primeira etapa, com uma prata. E para encerrar outra etapa na China, fechando com um ouro após termos batido na trave durante toda temporada. Foram dois momentos marcantes, a surpresa do bom começo e a felicidade de concluir tudo com um ouro, merecíamos - disse Juliana.

Maria Elisa analisou a dificuldade do torneio, que conta com os melhores jogadores do mundo e funciona como termômetro para o ciclo olímpico.

- A temporada 2012, dos Jogos de Londres, foi a mais dura que já vi. Acredito que quanto mais perto das Olimpíadas, mais difícil fica. As equipes estão mais experientes, o nível de informação e de treinamento está se espalhando cada vez mais. O segredo foi manter a regularidade, sempre marcar presença nas finais ou semifinais. A próxima temporada será ainda mais forte, mas estamos crescendo muito como dupla - analisou.