icons.title signature.placeholder RADAR / RNL - A Gazeta (ES)
01/02/2015
22:52

Na tarde deste domingo, amigos e familiares deram o último adeus a Jorge Reis, ex-goleiro e treinador, que foi um dos maiores ídolos do Rio Branco, onde chegou a ficar ficado 18 jogos sem levar gol. Jorge Reis morreu no sábado à noite, aos 76 anos, por insuficiência múltipla dos órgãos, e foi enterrado por volta das 15h30 no Cemitério Parque da Paz, na Ponta da Fruta, em Vila Velha. Ele deixou a esposa, dona Lúcia dos Reis, com quem foi casado durante 52 anos, quatro filhas e três netos.

Durante o velório, amigos da época em que Jorge Reis era jogador estiveram presentes e não esconderam a emoção. Também ex-jogador do Rio Branco, Vicente lembrou o amor do amigo ao esporte.

- Ele era bem mais velho que eu, mas o conheci quando estava subindo para o profissional. Fizemos partidas amistosas juntos e depois ele foi meu treinador. Foi um cara que teve uma carreira majestosa, foi recordista mundial, trabalhou na imprensa e era um apaixonado pelo esporte. Levou o nome do Espírito Santo para fora. E acima de tudo, foi um grande amigo - lamentou o ex-jogador Vicente Santos Duarte.

Amigos da imprensa também não pouparam elogios ao ex-goleiro. O apresentador Ferreira Neto, de quem era muito próximo, destacou a importância do atleta para o desenvolvimento do esporte capixaba.

- Quando se pensa em Jorge Reis se pensa em alegria, princípios morais, marido espetacular e em um homem que ajudou a construir a história do esporte no Espírito Santo. Pessoa digna, recordista mundial, bondoso, generoso. Ele construiu esta geração de 80, como meu irmão Índio e o Vevé. Jorge nunca falou alto, se queria falar alguma coisa, chamava a gente no canto para conversar. Fica a saudade.

Filha de Reis, a pedagoga Luciene dos Reis, de 45 anos, se despediu do pai ao lado da mãe e das outras três irmãs. “Ele e minha mãe ficaram casados 52 anos. Foram 60 anos de convivência.

Uma das primeiras homenagens a Jorge Reis aconteceu em dezembro, quando os clubes e a Federação de Futebol (FES) resolveram batizar o troféu de campeão da Série B do Campeonato Capixaba 2015, que começa a ser disputada no próximo dia 28 de fevereiro, com o nome do ex-goleiro.

Time do coração do ex-goleiro, o Rio Branco usou sua página na rede social para lamentar a morte do ídolo. O clube usou a foto de uma reportagem, para relembrar o feito histórico de Jorge Reis.

A Desportiva, onde Jorge Reis também jogou, deixou a rivalidade de lado para lembrar a carreira vitoriosa do ex-jogador e demonstrar sua solidariedade aos amigos e familiares.

Por nota, o mais novo time do futebol capixaba, o Doze FC também lamentou a morte de Jorge Reis.

"O Doze Futebol Clube amanheceu de luto neste domingo (01/02) com a notícia da morte do ex-goleiro e comentarista Jorge Reis. O Doze valoriza todos aqueles que construíram a bonita história do futebol capixaba, como é o caso de Jorge. Ídolo do Rio Branco e com passagem pela Desportiva Ferroviária, ele ainda teve brilhante carreira como comentarista da TVE e da Rádio Espírito Santo. O Doze FC se solidariza com amigos e familiares".