icons.title signature.placeholder Jonas Moura
09/06/2014
17:17

Crítico da gestão do futsal brasileiro, o bicampeão mundial Falcão quer mais do que uma troca na presidência da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) para repensar sua aposentadoria da Seleção. Após a renúncia de Aécio de Borba Vasconcelos, que ocupava o cargo desde 1979 e está sendo investigado por uso inadequado dos recursos da entidade, e a posse de Renan Tavares, o atleta mostrou-se pouco otimista quanto às mudanças já anunciadas.

Além da troca de mandatário, saíram o vice geral Vicente Piazza, que enfrenta problemas de saúde e não aceitou assumir a presidência, e as três filhas de Aécio que ocupavam cargos na diretoria: Virgínia Glaucia Melo de Borba, ex-diretora financeira, Sônia Regina Mello de Borba, ex-diretora administrativa, e Silva Helena de Borba Gongim, ex-diretora de marketing.

– Vejo apenas como um passo dado. Continua a escadinha. Saiu o anterior, mas outras pessoas ligadas a ele seguem. Nós, jogadores, queríamos que fosse feita uma eleição. Não foi o que aconteceu. Simplesmente, saiu o presidente, o vice nao quis, e entrou um que estava lá dentro. Minha posição de não vestir a camisa da Seleção se mantém – disse o jogador, ao LANCE!Net.

A maior crítica do atleta está na figura de Edson Nogueira, atual diretor de seleções da CBFS. Em março deste ano, quando anunciou sua aposentadoria do time verde-e-amarelo, Falcão afirmou que o dirigente interferia nas convocações passando por cima da comissão técnica.

– Continua sendo o mesmo antiprofissionalismo. Vamos ver se ele (Renan) vai mexer na estrutura do dia a dia, no diretor (Edson) que interfere nas convocações, que risca o nome dos jogadores que criticam os problemas do futsal. A partir de hoje, vamos observar os passos deles – afirmou o jogador, que tem apoio de nomes como o goleiro Tiago e o ala Neto, campeões mundiais com a Seleção em 2012.

Renan Tavares tomou posse em assembleia realizada em Fortaleza no último domingo, com o consentimento dos presidentes das 24 federações estaduais. Desde o dia 30 de maio, porém, ele já ocupava o cargo interinamente, depois que Borba renunciou em razão da reprovação das contas da entidade referentes a 2013.

Procurado pelo L!Net, o novo mandatário disse acreditar no diálogo dos atletas com a atual diretoria de seleções criticada por Falcão.

– Já fizemos contatos com o Falcão e com outros, e acredito que possamos encontrar um diálogo. Farei de tudo para que esses astros retornem à Seleção, pois eles colaboraram para que o futsal atingisse o patamar técnico que tem hoje – afirmou o mandatário, que estava na entidade na função de vice-presidente de competições.