icons.title signature.placeholder Russel Dias
09/04/2014
09:04

Gabriel joga pelo centro, mas não é um meia de ofício. Cícero atuou na armação, só que não é sua função. O único armador de origem no elenco do Santos é Lucas Lima, apresentado há dois meses. Desde então, o jogador de 23 anos só foi relacionado para quatro partidas no Paulistão e fez o jogo de estreia na Copa do Brasil.

No Paulista, Oswaldo de Oliveira costuma levar para o banco de reservas Rildo, Diego Cardoso e Stéfano Yuri, todos atacantes. Após a derrota para o Ituano, o técnico disse que poderia mudar o time para o segundo jogo. Mesmo assim, Lucas Lima não se empolga muito com isso:

– É opção do treinador, quero sempre jogar. Mas tenho que respeitar a decisão do Oswaldo.
A decisão do técnico não foi explicada para o atleta e não foi contestada pela diretoria, que com a ajuda do Doyen Sports, pagou R$ 5 milhões para tirá-lo do Inter.

Um outro “bom motivo” apontado por Lucas Lima para jogar é seu bom aproveitamento nas bolas paradas. Dos dez gols levados pelo Ituano no Estadual, seis foram em bolas paradas. Hoje, Cícero é o responsável pelas cobranças de faltas e pênaltis – o meia perdeu um no domingo.

– Poderia ajudar, tenho uma bola parada boa, treino bastante isso com o Geuvânio – disse Lucas.

Logo em sua estreia contra o Bragantino, o meia fez um dos gols na vitória por 5 a 0. Depois, não ganhou muitas chances mesmo tendo ido bem segundo sua avaliação.

– Tento buscar o melhor, tento trabalhar mais e mais para mostrar meu potencial e conseguir uma vaga. Tento não desanimar para poder trabalhar e conseguir um lugar.

Chegou a hora de um meia? Lucas Lima está pronto para domingo!


Lucas pelo Peixe

Que começo!
Estreou com o pé direito. Entrou no fim contra o Bragantino, na 11 rodada, e deu passe para gol de Damião. No jogo seguinte, contra o Mogi, também entrou na etapa final e fez gol.

Menos brilho
Foi titular contra o Oeste e na estreia da Copa do Brasil, contra o Mixto-MT. Nos dois, foi substituído por Serginho. Também entrou contra o Palmeiras.


Bate-Bola com Lucas Lima, meia do Santos, em entrevista ao L!Net

Acha que o time sentiu falta de um meia na primeira final ?
Assisti ao jogo da arquibancada, pois fui cortado do banco. Acho que foi opção do treinador. Ele jogou os outros jogos sem meia e deu certo, agora que não deu fica difícil falar. Estou à disposição se ele precisar para o segundo jogo, domingo.

Ele justificou seu corte do banco?
Ele nunca comentou nada. Eu vejo como opção dele, é o treinador e escolhe. Respeito e sigo trabalhando.

Acha que foi bem nas cinco oportunidades que teve no ano?
Eu acabei indo bem, acredito. Tentei dar meu melhor, quando eu joguei acabei não comprometendo em nada e fiz boas partidas.

O que espera da final?
Acho que o time consegue virar. A gente está bem unido, essa derrota serviu para fortalecer a gente ainda mais, vamos tentar furar a retranca deles. É só todo mundo concentrar direitinho, não estamos aqui à toa. Temos toda chance de sair do Pacaembu com o título.