icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/02/2015
12:41

Palco do jogo entre Rio Claro e São Paulo, válido pela 7ª rodada do Campeonato Paulista, a cidade de Rio Claro tem sofrido com uma epidemia de dengue nos últimos meses e já registrou mais de mil casos da doença. Por isso, o departamento médico do Tricolor está preocupado e cobrará o uso de repelentes pelos atletas para minimizar as chances de ataques dos mosquitos.

- A única forma de prevenção é usar repelente, não tem saída. É a primeira vez que enfrentamos essa situação e não tem muito o que fazer. Os jogadores não usam repelente nunca. E mesmo usando, isso apenas minimiza. Mesmo com o repelente é possível pegar. Esse é um caso que deveria ser cuidado pela saúde pública, pelo Estado. Se acontecer, o maior problema é perder os jogadores por uma sequência de jogos, pois acarreta em dores musculares chatas. O ideal seria nem ter esse jogo - explicou o médico tricolor, José Sanchez.

Entre os mais de mil casos de dengue em Rio Claro, que tem 186 mil habitantes, sete foram confirmados entre jogadores e funcionários do Galo Azul. Dos quatro atletas atingidos pela doença, dois são conhecidos dos torcedores da capital paulista: o atacante Rodolfo, que esteve no elenco do Palmeiras na temporada passada, e o meia Nenê Bonilha, que já defendeu o Corinthians.

- Em relação à dengue, aqui mesmo (no CT da Barra Funda) o que tem de mosquito é brincadeira! Quem quiser passar uma tarde com mosquito, tão todos ali no campo, nossos parceiros (risos). Vamos levar repelente, sim. Tem que ser. Em todos os lugares está assim, não só em Rio Claro, por isso a gente deve levar, sim. Aqui nossos massagistas sempre têm na bolsa os repelentes para passarem nos atletas se necessário - comentou Muricy Ramalho.

Na última terça-feira, véspera da goleada por 4 a 0 sobre o Danubio (URU), os jogadores do São Paulo enfrentaram um "ataque" de mosquitos durante o treino no CT e fizeram brincadeiras com a situação. Já para o duelo com o Rio Claro, o assunto é tratado com mais seriedade, isso porque justamente o estádio Augusto Schmidt é um dos focos de dengue na cidade.