icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
04/11/2014
23:03

Já não bastasse a tão comentada maratona de viagens e jogos das últimas semanas, o São Paulo teve de encarar mais um obstáculo na preparação para o duelo de volta das quartas de final da Copa Sul-Americana contra o Emelec (EQU). Por volta das 22h, a delegação tricolor chegou ao estádio George Capwell, em Guayaquil, para fazer reconhecimento do palco da partida, mas foi impedida de treinar. 

A informação foi dada pelo site Globoesporte.com, que viajou ao Equador para a acompanhar o duelo decisivo. Segundo a publicação, o técnico Muricy Ramalho foi informado de que seu time estava proibido de treinar no estádio e não escondeu de ninguém a revolta. Outros membros da comissão técnica e da diretoria tentaram acalmar o treinador, mas não tiveram sucesso de início.

- Isso teria de ser só futebol. Futebol não é guerra. Vamos embora. Vamos dar a vitória a eles e voltar para o Brasil - bradou o comandante tricolor.

Meia hora depois de chegarem ao local da partida contra o Emelec, os são-paulinos decidiram retornar ao hotel onde estão hospedados. Curiosamente, os equatorianos tiveram as portas do Morumbi abertas pelo São Paulo, mas se recusaram a fazer o treino de reconhecimento do gramado por temeres espiões tricolores.