icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
19/11/2014
13:39

Após vitória no UFC 179, no Rio de Janeiro, em outubro, Gilbert Durinho tem mais um desafio pela frente, mas dessa vez de quimono. O peso leve vai participar da Copa Pódio, torneio de jiu-jitsu, neste sábado, onde faz uma superluta diante de Leandro Lo. Para saber sobre este combate e seu futuro no Ultimate, a reportagem do LANCE!Net, passou a tarde com o faixa-preta da modalidade na academia FortFit, na Barra da Tijuca.

Para esse próximo compromisso, Durinho pretende aliar o prazer de competir de pano e também se preparar ainda mais para o futuro no Ultimate. Para o lutador, em entrevista ao L!Net, quanto mais se manter ativo, mais preparado chegará para cumprir seu objetivo na organização e já deu um aviso aos seus futuros adversários no Ultimate.

- Lutando jiu-jitsu no UFC só tem eu. O Jacaré não compete mais de pano, nem o Serginho Moraes, Cara de Sapato... Esse será meu diferencial na organização. Meu objetivo é ser campeão e para isso tenho que afiar todas minhas armas e a principal é o jiu-jitsu. Esse caminho até o cinturão é como se fosse uma estrada e nesse percurso tenho que ir me aprimorando em tudo. Quero manter meu jiu-jitsu em alto nível e se finalizar o Lo, que só foca sua carreira nos campeonatos de quimono, mostro que estou muito bem. Se finalizar essa luta, vou dar um alerta a todos no UFC e mostrar que cheguei para finalizar todo mundo. Vou pendurar cabeça e braço lá em casa (risos) - disse.

Depois de estrear nos meio-médios, Durinho desceu para os leves, que é sua categoria do origem e sabe das dificuldades que terá pela frente. Atualmente a divisão conta com um extenso número de postulantes ao título, mas nada que assuste o brasileiro. Para o atleta, quanto mais dificuldades, melhor e citou suas qualidades para estar entre os tops.

Durinho finalizou Christos Giagos no UFC 179, no Rio de Janeiro (FOTO: Marcus Furtado/FlashSports)

- Meu diferencial será que não fujo da trocação, tenho o melhor ou um dos melhores jiu-jitsu da categoria e ainda possuo o Vitor ao meu lado, que me passa a técnica e a experiência necessária. Tenho queixo, gás e vim para fazer barulho. Queria estar na divisão mais difícil, para ser campeão contra os adversários mais duros que tem. Depois do sacrifício, vem o resultado bem feito - afirmou.

O ano de 2014 foi especial na carreira de Durinho. O competidor fechou contrato com o UFC e já somou duas vitórias na franquia, sendo a última por finalização e no Brasil. E o lutador, natural de Niterói, fez um balanço positivo desta temporada e já mira voos maiores em 2015.

- Consegui dois nocautes seguidos e acho que isso impressionou o UFC, já que sou oriundo do jiu-jitsu. Esse ano foi de aprendizado. Entrar no UFC não era o objetivo, mas sim ser campeão. Eu sou o peso leve que terminei todas minhas lutas no primeiro round, com cinco finalizações e três nocautes. Sou num cara que gosto de treinar e aprender cada vez mais. Então tenho confiança para afirmar que o ano de 2015 será bem melhor - completou.