icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/11/2013
15:33

A partir desta sexta-feira, a seleção da Islândia entra em suas últimas duas batalhas para conseguir uma vaga na Copa do Mundo de 2014, e também na história do futebol mundial. Caso passe pela Croácia e se classifique para o Mundial, os islandeses serão o menor país do torneio desde sua fundação em 1930.

Com pouco mais de 320 mil habitantes, a Islândia fará história de várias formas se passar pela repescagem europeia. Além de se tornar a menor nação a participar de uma Copa, eles farão sua primeira participação na fase final de um torneio, nunca tendo participado nem de um Mundial nem de uma Eurocopa.

Para fazer história, os islandeses têm três grandes trunfos. Dois deles dentro de campo e um no banco de reservas. O jovem Sigurdsson é o principal jogador da Islândia e um dos mais talentosos da Premier League inglesa, onde joga pelo Tottenham. Além dele, os islandeses contam com o veterano Gudjohnsen, que após passagens por Chelsea e Barcelona, reencontrou o rumo da carreira no futebol belga.

Mas talvez o principal dos trunfos da possível zebra é o comandante técnico da equipe. Após apostar muito tempo em técnicos locais, a Islândia contratou o sueco Lars Lagerbäck, que tem sido o responsável pelo momento histórico do futebol do país. Com a Suécia, Lagerbäck esteve em duas Copas do Mundo (2002 e 2006), representando a Nigéria também no Mundial de 2010. O técnico está a dois jogos de ir para sua quarta Copa do Mundo consecutiva:

 - Acho que será uma grande decepção se não formos para o Brasil agora que estamos tão perto. Mas olhando friamente estamos em uma situação bastante confortável. Dentro da Islândia poucas pessoas achavam que poderíamos chegar aonde chegamos, mas agora há muitas expectativas. Espero que as pessoas não se decepcionem muito caso não nos classifiquemos.