icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
07/12/2013
08:02

Fazem mais de 10 anos da última vez que o Internacional brigou contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Foi em 2002, quando escapou na última rodada ao vencer o Paysandu por 2 a 0, em um dia 17 de novembro. Em 2013, o contexto se repete: o Colorado chega no derradeiro jogo da competição podendo cair. As duas situações tem um personagem em comum: o ex-goleiro e agora técnico Clemer.

Um dos jogadores mais vencedores da história colorada, Clemer tem também estas passagens vinculadas na carreira. Em 2002, defendia o gol colorado no Mangueirão. Havia chegado ao Inter exatamente naquele ano. Depois daquela partida sofrida, acabou sendo campeão da Libertadores e do Mundial em 2006, além de se sagrar bicampeão da América como preparador de goleiros.

Os contextos, claro, são diferentes. Naquele Brasileirão, o Inter precisava de resultados paralelos para escapar do descenso. Durante a competição, o Colorado habitou as proximidades da zona de rebaixamento. Diferente desta temporada. A qualidade no elenco também era diferente - o time atual recebeu investimento muito maior e tem mais medalhões.

- Não tem nem comparação a situação de 2002 para agora. Precisávamos ganhar o jogo e três resultados paralelos para não cair. Dependemos só da gente, jogamos em casa e com a nossa torcida. Até com o empate nos mantemos. As vantagens e as desvantagens são muito diferentes. Não dá para comparar a situação com a de 2002, não - descartou Clemer, um dos protagonistas de ambos os anos.

O Inter precisa apenas empatar com o time reserva da Ponte Preta, envolvida na decisão da Copa Sul-Americana, para garantir a fuga do rebaixamento. O Colorado ainda treinará na tarde deste sábado em Bento Gonçalves, local da concentração para a partida com a Macaca. O provável time tem Muriel; Ednei, Índio, Juan e Fabrício; João Afonso, Josimar, Jorge Henrique, D'Alessandro e Otávio (Forlán); Leandro Damião.