icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/02/2015
21:31

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro arquivou, nesta terça-feira, as acusações contra o inglês Raymond Whelan, executivo da Match Services, empresa licenciada pela Fifa para a venda de ingressos da última Copa do Mundo, realizada no Brasil. Ele foi citado pela Polícia Civil como integrante de uma máfia de cambistas, chegando a ser detido e depois solto.

Segundo o TJ-RJ, o processo continuará contra os demais acusados na fraude. O Ministério Público ainda não confirmou se recorrerá da decisão.

- Decreto a inépcia material da denúncia, trancando-se a ação penal apenas quanto a este paciente, sem extensão a qualquer dos demais corréus - decretou o desembargador Luiz Noronha Dantas.

De acordo com o advogado de Whelan, Fernando Fernandes, o arquivamento confirma que não há indícios para incriminar o executivo inglês.

No esquema da máfia dos ingressos da Copa, o faturamento chegava a ser de mais de R$ 1 milhão por partida com ingressos VIPs, fornecidos como cortesia a patrocinadores, ONGs e confederações. A operação que prendeu os envolvidos estourou no dia 1º de julho e foi conduzida pela 18ª DP do Rio de Janeiro.