icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
01/11/2014
18:35

Alvo de críticas quando teve seu desempenho abaixo do esperado, o zagueiro Dedé é um dos melhores exemplos dos jogadores que deram a volta por cima no Cruzeiro. Questionado após falhas importantes, o defensor sempre procurou retribuir com um bom futebol dentro de campo. E é com esse pensamento que o jogador pede um voto de confiança para o torcedor da Raposa na partida deste domingo, contra o Botafogo. Dedé relembrou o último jogo celeste, contra o Santos, pela Copa do Brasil, e repudiou as vaias que chegaram das arquibancadas, na ocasião, direcionadas a Marlone.

- A gente sabe que precisa muito do torcedor. Aplaudir um jogador quando erra, incentivar mais que vaiar. Achei que a torcida pegou um pouco no pé do Marlone. É difícil um jogador entrar em uma partida, estando fora de ritmo, e manter o ritmo da equipe. O Marlone é uma peça importantíssima para a gente. Eu acho que o torcedor tem que apoiar, principalmente esses jogadores. Eles podem entrar e mudar a partida. O jogador prefere o apoio nas horas difíceis do que quando está em alta – disse o zagueiro.

MAIS:
> Santistas esgotam ingressos para jogo contra o Cruzeiro
> Marcelo Oliveira não quer saber de poupar os jogadores

Pelo menos enquanto Manoel seguir no departamento médico do Cruzeiro, o miolo de zaga celeste deverá seguir com Dedé e Leo. Foi ao lado do companheiro que o Mito passou seus melhores momentos na temporada.

- A temporada que o Léo está fazendo é excepcional. Está muito firme, fazendo gols. No último jogo contra o Santos, para mim, ele foi o melhor em campo, pela forma como se entregou e fez as coisas certas dentro do que o jogo pediu. O Leo está com confiança e isso é bom – comentou Dedé.

Diante do Botafogo, o zagueiro prevê um adversário fechado, assim como a maioria das equipes que visitou o Cruzeiro no temido Gigante da Pampulha.

- Acho que o Botafogo vai ter aquele certo respeito como todos os times tiveram contra o Cruzeiro aqui. Sabem a dificuldade. Pode ser um jogo muito difícil para gente, como se tornou contra o Palmeiras, mas a partir de agora temos que pensar cada jogo como se fosse o último. Temos que jogar intensamente. Todos os jogos são decisões – definiu.