icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
14/11/2014
08:30

Pode até parecer inofensivo, mas as cobranças de lateral do Atlético-MG tem sido motivo de muita dor de cabeça dos adversários. Foi assim no primeiro clássico da final da Copa do Brasil, vencido pelo Galo por 2 a 0. Nos dois lances em que balançou as redes, a jogada começou nas mãos de Marcos Rocha. Do lateral, o jogador coloca a bola na área, e em seguida, o alvinegro acabou balançando as redes de Fábio.

- Feliz por participar dos gols. É um ponto forte, tenho essa facilidade, o Douglas também. Apesar de não termos uma equipe muito alta, a bola passou para o Carlos que ajeitou para o Dátolo. O Levir sempre pede para arremessar. Estamos tirando proveito disso - comentou o lateral.

MAIS:
> Maicosuel pode perder o restante da temporada por lesão
> Reunião para segundo clássico na Copa do Brasil será no dia 18

Apesar do pedido de Levir, colocar as bolas na área não é tarefa recente para Marcos Rocha. Acostumado com as cobranças de lateral desde os tempos de Cuca, o jogador conta que não faz nenhum treinamento específico.

- Nunca fiz treino específico. A gente chegou fazer um estudo com um professor de arremesso. Foi mais a técnica que consegui nesses anos, a maneira como faço a alavanca. Fui aperfeiçoando essa técnica - falou.

- Com a mão tem uma facilidade maior. Com os pés, às vezes, você acaba errando por tentar ser muito perfeito. Mas da maneira que for, o importante é o Atlético fazer os gols. Fico feliz por participar tanto com mão quanto com o pé - finalizou.