icons.title signature.placeholder Bruno Andrade
11/06/2014
11:22

A Copa do Mundo não foi o único tema discutido no 64º Congresso da Fifa, realizado nesta quarta-feira, no Hotel Transamérica Expo Center, em São Paulo. O presidente Joseph Blatter fez questão cobrar honestidade na entidade máxima do futebol internacional. As declarações do dirigente suíço foram ditas no momento em que a Fifa tem sido acusada de corrupção em relação à escolha do Qatar como sede do Mundial de 2022.

- É nosso dever manter o futebol andando da melhor maneira possível, precisamos manter a organização. O futebol é um negócio de bilhões de dólares, mas também cria situações controversas e dificuldades. O dever da Fifa é conduzir o futebol dando exemplo de integridade. É nossa obrigação, já que temos o lema de fair play (jogo limpo). Mas precisamos ser justos dentro e fora de campo - declarou Blatter.

- A Fifa precisa dar o exemplo. A Fifa molda a sociedade, temos um grande impacto no mundo. Precisamos ser o pioneiro da esperança de melhorias. Nós temos de carregar a tocha de honestidade e de respeito. Se não fizermos isso, não seremos respeitados - complementou.

Recentemente, o jornal britânico Daily Telegraph publicou que o ex-vice-presidente da Fifa, Jack Warner, recebeu 2 milhões de dólares para votar no Qatar como sede da Copa-2022. Há uma investigação no Comitê de Ética da Fifa, nas mãos do ex-membro do FBI, Micheal Garcia. De acordo com a federação internacional, todos os membros do comitê executivo que participaram da votação serão interrogados. O resultado da investigação deverá ser divulgado até outubro deste ano.

Blatter, que está no comando da Fifa desde 1998, quer se manter no cargo por mais um mandato (válido por quatro anos). A briga pela manutenção do poder não será nada fácil, isso porque as federações ligadas à Uefa querem a renúncia dele.

Mas Joseph Blatter não está sozinho. Além do voto garantido da CBF, que a partir de 2015 será administrada por Marco Polo Del Nero, o suíço tem o apoio de federações filiadas à Concafac, Conmebol e, principalmente, Confederação Asiática de Futebol (CAF).