icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
06/12/2013
18:37

A expressão de tranquilidade vista no rosto de técnico Luis Felipe Scolari após o sorteio dos chaveamentos da Copa do Mundo não foi a mesma vista no semblante de membros da comissão técnica dos rivais de Grupo A. Como em um coro, profissionais de Croácia, Camarões e México deixaram o evento apontando superioridade do time anfitrião e admitindo que a briga deve ser pelo segundo lugar do enquandramento.

- Brasil é, sem dúvidas, o grande favorito do grupo. Vamos analisar as outras equipes e lutar pelo segundo lugar. É essa a nossa perspectiva. De qualquer forma, enfrentar o Brasil pentacampeão do mundo é uma oportunidade única - discursou o técnico croata, Niko Kovac.

A avaliação do técnico do Camarões, Volker Finke, foi mais abrangente do que a de seu adversário na segunda rodada da Copa. Após reforçar as qualidades técnicas do time brasileiro, o comandante colocou as outras três equipes em pé de igualdade e previu briga intensa dentro do enquadramento.

- Reconheço que não temos muita chances contra o time da casa. Nosso objetivo é somar pontos contra os outros adversários. Vejo as outras três equipes com nível técnico semelhante e confio nas nossas chances de classificação. Nosso time tem jogadores entre 21 e 27 anos, que estão começando sua trajetória no futebol e que podem surpreender - disse.

O diretor técnico do México, Héctor González, demonstrou, por sua vez, preocupação especial com a força brasileira que vem das arquibancadas. O profissional não deixou de admitir que ficou impressionado com tudo o que viu na Copa das Confederações.

- O jogo contra o Brasil vai ser, sem dúvidas, muito difícil. Quem esteve aqui no meio do ano viu como a torcida é capaz de inflamar esse grupo de jogadores. Mas confesso que tinha o sonho do México estrear na competição contra o Brasil, como foi em 1950. É sempre um privilégio jogar contra o time pentacampeão do mund - afirmou.