icons.title signature.placeholder Gabriel Rodrigues
17/12/2013
11:30

A atuação de Antônio Lopes no caso envolvendo a barbárie na Arena Joinville causou certa irritação em alguns conselheiros do Vasco ligados à Cruzada Vascaína. O grupo quer até a suspensão de Lopes, um dos treinadores mais vitoriosos da história cruz-maltina, do quadro social do clube. O Delegado, no entanto, preferiu não se declarar sobre o caso, no momento.

Diretor de futebol do Atlético-PR, Antônio Lopes teria sido um dos responsáveis pelo jogo entre o Furacão e o Vasco, na última rodada do Brasileiro, continuar mesmo após a barbárie que tomou conta das arquibancadas da Arena Joinville, de acordo com apuração do LANCE!Net. No julgamento em relação ao caso, na última sexta-feira, que determinou a perda oito mandos de campo do Vasco, Lopes foi testemunha à favor do time paranaense e disse que a torcida cruz-maltina começou a confusão.

- O Vasco não pode ficar passível em relação a isso. O Lopes intimidar dirigentes do Vasco, o árbitro e depois ir no tribunal falar que a torcida do Vasco começou a confusão. Os torcedores do Vasco foram acuados pela torcida do Atlético-PR, todas as imagens mostram isso. Uma coisa é ele ser profissional do Atlético-PR, preparar e montar o time. Mas, se ele é sócio do Vasco, não deveria faltar com a verdade. E isso não vale só com o Vasco, não pode faltar com a verdade com nenhum clube. Mas ainda mais com o vasco pela relação dele - disse o presidente da Cruzada Vascaína, Leonardo Gonçalves, ao L!Net.

Os conselheiros já entraram com o pedido de eliminação de Lopes do quadro social, mas Leonardo Gonçalves garantiu que o diretor atleticano terá direito de se defender e aproveitou para pressionar o presidente do Vasco, Roberto Dinamite:

- Entramos com pedido de eliminação e já protocolamos ontem (segunda-feira) na secretaria do Vasco e, agora, o Dinamite deve analisar o processo, ver se é correto e convocar o Conselho de Justiça, que também deve convocar o Antônio Lopes para se defender. Não queremos nada autoritário, ele pode se explicar diante do conselho, que dá ampla defesa a ele. Mas isso só vai para frente se o Dinamite tiver pulso. O Vasco vive um momento de baixa autoestima, qualquer um monta no clube. O que não pode ocorrer é, com todo respeito, o Vasco se tornar um novo América.

O pedido dos conselheiros se baseia nos artigos 34 e 35 do Estatuto do clube. O primeiro artigo diz que o sócio que, verbal ou expressamente, fizer declarações iverídicas contra o clube fica sujeito às penas estabelecidas no próprio estatuto. Já o segundo artigo, referente as penas, diz que os sócios que não cumprirem com as normas do estatuto podem ser punidos com advertência e suspensão de até seis meses de eliminação ou desligamento.

Ídolo cruz-maltino, tendo conquistado, como treinador, três Campeonatos Cariocas, um Brasileiro, uma Libertadores e um Torneio Rio-São Paulo, Antônio Lopes começou a relação profissional com o Vasco ainda no meio da década de 1970, como preparador físico. Por isso, Gonçalves afirma que as acusações não são de cunho pessoal:

- Que fiquei claro que ninguém tem nada pessoal contra o Lopes, sempre torço pelos times em que ele trabalha, quando não é contra o Vasco, por toda relação dele com o clube.

Reveja! Antônio Lopes considera justa punição a Vasco e Atlético-PR