icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro
16/07/2013
11:27

A expectativa da imprensa paraguaia é de que o Atlético-MG jogue mesmo a segunda partida da final no Mineirão e não no Independência. E esse posicionamento é reflexo da própria vontade do Olimpia. Na manhã desta terça-feira, a Associação Paraguaia de Futebol (APF) informou à Conmebol que o Defensores del Chaco cumpre a norma de 40 mil lugares para sediar a final da Libertadores.

Assim, o argumento do presidente Alexandre Kalil e do diretor de futebol do Atlético-MG, Eduardo Maluf, acaba caindo por terra, pois a Conmebol, agora, deve vetar o pedido do Alvinegro mineiro em aceitar o estádio do Horto como sua casa para a decisão. Oficialmente, segundo o secretário executivo de futebol da Conmebol, o Defensores possui capacidade para 40.759 torcedores.

- Nós não podemos desconfiar da informação oficial que nos traz um membro nosso (a APF). Com isso, (a capacidade) é mais que suficiente, e, no transcorrer de amanhã (quarta), vamos informar a Confederação Brasileira (CBF) - disse o secretário executivo, Francisco Figueredo Brítez, ao site D10, do Paraguai.

Francisco citou a CBF porque a entidade, por meio de seu presidente José Maria Marin, resolveu ajudar o Galo na questão, levando um pedido à Conmebol para que o Independência fosse aceito. Kalil tinha uma carta na manga, que era um pedido oficial para a liberação do Horto em uma possível final, antes da competição.

Se o Mineirão for mesmo mantido pela Conmebol para o jogo do dia 27 de julho, haverá novidades na venda de ingressos para a torcida do Galo, que já acampa na porta da sede social do clube. O Mineirão não representa a mesma força do Independência para o time de Ronaldinho & Cia., mas possibilitará que mais atleticanos vejam um momento histórico do seu clube.

A expectativa da imprensa paraguaia é de que o Atlético-MG jogue mesmo a segunda partida da final no Mineirão e não no Independência. E esse posicionamento é reflexo da própria vontade do Olimpia. Na manhã desta terça-feira, a Associação Paraguaia de Futebol (APF) informou à Conmebol que o Defensores del Chaco cumpre a norma de 40 mil lugares para sediar a final da Libertadores.

Assim, o argumento do presidente Alexandre Kalil e do diretor de futebol do Atlético-MG, Eduardo Maluf, acaba caindo por terra, pois a Conmebol, agora, deve vetar o pedido do Alvinegro mineiro em aceitar o estádio do Horto como sua casa para a decisão. Oficialmente, segundo o secretário executivo de futebol da Conmebol, o Defensores possui capacidade para 40.759 torcedores.

- Nós não podemos desconfiar da informação oficial que nos traz um membro nosso (a APF). Com isso, (a capacidade) é mais que suficiente, e, no transcorrer de amanhã (quarta), vamos informar a Confederação Brasileira (CBF) - disse o secretário executivo, Francisco Figueredo Brítez, ao site D10, do Paraguai.

Francisco citou a CBF porque a entidade, por meio de seu presidente José Maria Marin, resolveu ajudar o Galo na questão, levando um pedido à Conmebol para que o Independência fosse aceito. Kalil tinha uma carta na manga, que era um pedido oficial para a liberação do Horto em uma possível final, antes da competição.

Se o Mineirão for mesmo mantido pela Conmebol para o jogo do dia 27 de julho, haverá novidades na venda de ingressos para a torcida do Galo, que já acampa na porta da sede social do clube. O Mineirão não representa a mesma força do Independência para o time de Ronaldinho & Cia., mas possibilitará que mais atleticanos vejam um momento histórico do seu clube.