icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/11/2014
10:57

Já é normal no futebol, quando o clube empresta um jogador, colocar uma cláusula de que não pode enfrentar o time que é dono dos seus direitos. O Porto não fez isso com Tozé, atacante do Estoril. E o jovem acabou marcando em cima do Dragão no empate em 2 a 2 pelo Campeonato Português. Após o momento, o jogador não esconde sua paixão pelo Porto, garante que ainda sonha em brilhar na Cidade Invicta e revela uma emoção especial com o episódio.

- O Porto é e sempre será o meu clube do coração. Fiz tudo o que podia para ajudar o Estoril, onde tenho sido muito bem tratado. Saio com o sentimento do dever cumprido, feliz pelo que fiz. A noite foi forte, muito forte, pois era também o aniversário do meu falecido avô. Ele era um portista de verdade, acompanhou sempre os meus jogos nas categorias de base do Porto, tinha de dar o meu melhor por ele - revelou Tozé, de 21 anos, em entrevista ao site MaisFutebol.

Na temporada passada, foi um dos destaques do Porto B, que foi vice-campeão da Segunda Divisão. No total, fez 21 gols na campanha.

- Depois da temporada que fiz, muita gente me disse que eu tinha fortes chances de ficar. Acreditei nisso também, mas acabei por não continuar. Não fico triste. Estou jogando na Primeira Divisão e pretendo fazer tudo bem para crescer e mostrar qualidade para voltar ao Porto - disse.

O jovem falou ainda sobre a falta de jogadores portugueses nos clubes grandes. Destacou que quem vem da base acaba não tendo muitas chances.

- O maior problema é a falta de oportunidades. Como se ganha experiência? Em campo, jogando. Só jogando, só competindo. Um jogador com 20 anos, se tiver qualidade, deve merecer a aposta dos clubes grandes. Seja no Porto, no Benfica ou no Sporting isso raramente acontece. O futuro passa pelo jogador português. Os responsáveis não podem ter medo que o jovem erre - concluiu.