icons.title signature.placeholder João Pires
07/12/2013
11:00

O RJ Vôlei vive um momento conturbado em razão da saída do seu principal patrocinador, a OGX, empresa do grupo EBX, de Eike Batista. Os salários não estão mais em dia e um dos titulares da equipe já abandonou o barco: o central Maurício aceitou uma proposta do vôlei turco e se transferiu. Mas o capitão e levantador do time, Bruninho, permanecerá.

Em contato com o L!Net, o jogador admitiu que teve propostas para deixar a equipe carioca. Porém, prefere assumir o compromisso de permanecer no atual campeão da Superliga e diz que não há chances de voltar a negociar por enquanto com o vôlei russo, de onde recebeu proposta recentemente.

- Não tem como, até porque eles contrataram um outro levantador na época (da proposta). Isso foi antes da Copa dos Campeões (em novembro), eu recebi a proposta do Dinamo de Kazan. No momento eu não tenho vontade de sair, eu assumi esse compromisso aqui. É claro que depois de três meses (de atrasos nos salários) você fica vendido, já houveram outras propostas, mas quero tentar resolver isso e continuar com a cabeça focada na Superliga - falou Bruninho, que também é capitão da Seleção Brasileira.

A diretoria do RJ está em busca de patrocínios para cobrir a lacuna deixada pela OGX. Atualmente a equipe carioca conta com o apoio da Furnas e da Ironage, sendo que o custo para manter o time gira em torno de R$ 8,5 milhões por temporada. A direção do RJ, segundo Bruninho, tem sido franca com os atletas:

- Eles estão jogando o mais aberto possível, estão conversando com várias empresas para assumir o papel de patocinador master do clube. O que cabe a nós jogadores no momento é continuar honrando o RJ e os parceiros que seguem conosco. Tenho certeza que a diretoria está correndo atrás para resolver os problemas.

Na noite deste sábado, às 21h30, no ginásio do Tijuca, o RJ volta à quadra para enfrentar o Sesi-SP. Em oito partidas, o RJ perdeu apenas uma na Superliga e é o vice-líder, atrás apenas do invicto Sada Cruzeiro.