icons.title signature.placeholder Guilherme Cardoso
08/03/2014
08:39

Algumas instalações novas e bem cuidadas, correria para deixar tudo pronto e um pouco de desinformação. Antes do início das competições, essa tem sido a marca dos Jogos Sul-AmericanosI, que começam nesta sexta-feira, em Santiago (CHI).

Palco da cerimônia de abertura e das provas do atletismo, o Estádio Nacional, apesar de antigo, apresenta boas condições. Os assentos para o público são novos e estão em bom estado. Se não bastasse, no seu entorno, foram criados o Ginásio Poliesportivo, para ginástica artística e rítmica, e o Centro Aquático, para a natação. Todos novos e prontos para serem usados pelos atletas.

Segundo o Comitê Organizador dos Jogos, foi criada uma instituição sem fins lucrativos especialmente para cuidar das obras para o evento.

– Criamos uma instituição privada e sem fins lucraticos, especialmente destinada para a organização dos Jogos. Ela foi formada tanto pelo Comitê Olímpico Nacionao, como pelo governo, representado pelo Ministério do Esporte. Foi feito um trabalho em conjunto. Ao se organizar um evento dessa magnitude e com a quantidade de alianças estratégias, lógico que acontecem algumas situações ruins, mas a ideia é solucioná-las para o ben do esporte – afirmou a diretora-executiva dos Jogos, Marcela González, ao LANCE!Net.

Mas nem tudo são boas notícias. Ainda ontem, muitas áreas do entorno do Estádio Nacional ainda passavam por alguns retoques para o início da competição. Além disso, faltam informações para jornalistas e até mesmo equipes.

Árbitros brasileiros do caratê reclamavam por não saberem onde seriam os locais de competição e pela falta de vaga em hoteis. Já a equipe de natação falava sobre os diferentes horários das finais, prática incomum nos torneios.

CONFIRA UM BATE-BOLA COM MARCELA GONZÁLEZ (Diretora-executiva dos Jogos Sul-Americanos):

LANCE!Net: Qual a expectativa para o início dos Jogos Sul-Americanos?
Marcela González: Tomara que a gente consiga ter um antes e um depois dos Jogos no âmbito esportivo em nosso país. Esperamos também que as pessoas possam conhecer todas as modalidades que serão disputadas, além de poderem ver os grandes atletas que vão participar da competição.

L!Net: O badminton é a única modalidade olímpica fora do programa dos Jogos. Por que aconteceu isso?
MG: Quando decidimos organizar os Jogos, foi aprovado um programa esportivo pelo Comitê Olímpico Chileno com 30 esportes. Depois de uma assembleia no RIo de Janeiro, foram agregados outros três à lista (em um total de 43 modalidades). Jamais foi considerado o badminton.

L!Net: Por que algumas modalidades serão disputadas em Viña Del Mar?
MG: Quando o Chile foi escolhido sede dos Jogos, existe uma norma para ter uma sede e uma sub-sede que não esteja perto da sede, nesse caso, Santiago. Por isso, decidimos ter alguns esportes em Viña Del Mar.