icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci, Caio Carrieri e Thiago Ferri
02/07/2014
07:30

Desde que a Colômbia foi definida como adversária do Brasil nas quartas de final, James Rodríguez vem sendo apontado como a maior ameaça para a Seleção no duelo desta sexta-feira. Artilheiro da Copa do Mundo com cinco gols e autor de duas assistências, ele vem sendo um dos destaques do Mundial até aqui. Contudo, para fazer história e chegar pela primeira vez na semifinal do torneio, os cafeteros têm outras armas e apostam na força do grupo.

De fato, a seleção tricolor não é só o seu camisa 10. Prova disso é que o meia Cuadrado, que atua pela Fiorentina (ITA), é o principal "garçom" da Copa até aqui, tendo dado passe para quatro gols.

A Colômbia, que faz a sua melhor campanha da história em Mundiais, também ostenta a melhor defesa do torneio, com apenas dois gols sofridos, e o segundo melhor ataque, com 11 tentos, um a menos que a Holanda.

Tal força foi destacada pelo zagueiro Carlos Valdés, em entrevista coletiva na manhã da última terça-feira.

– O James Rodríguez é muito importante para nós, está se apresentando em grande nível, mas o importante é continuar a fazer o que estamos fazendo, buscando aquilo que sonhamos. Temos de priorizar o time, o grupo. É tudo o que podemos fazer – explicou o jogador, que atuou apenas uma vez na Copa.


James marcou contra o Uruguai nas oitavas (Cleber Mendes/LANCE!Press)

Para os colombianos, a união é a grande responsável pela boa campanha: o time liderou o Grupo C e tem 100% de aproveitamento – nas oitavas bateu o Uruguai por 2 a 0.

– Colocamos acima de tudo o time e mais o bem coletivo do que o pessoal. Estamos em um excelente momento, e que continue assim – afirmou o também reserva Vargas.