icons.title signature.placeholder Russel Dias
29/07/2014
18:07

O presidente do Santos, Odílio Rodrigues, falou pela primeira vez sobre a polêmica das carteirinhas falsas de sócios do clube. Na tarde desta terça-feira, na Vila Belmiro, a cúpula do Peixe mostrou por meio de uma apresentação em slides ter descoberto o destino de duas das sete carteirinhas, e ligou os nomes aos grupos opositores que fizeram a denúncia na semana passada.

Por meio de uma investigação interna, o Santos constatou que o cadastro no nome de Alexandre Nardoni tinha o mesmo endereço de uma sócia com o nome de Adriana Conceição Esteves, na cidade de Alfenas, em Minas Gerais. Por meio de pesquisas nas redes sociais, o clube ligou Adriana a Jones da Silva, um dos diretores da Terceira Via Santista, grupo opositor responsável pela denúncia.

Outro cadastro desvendado pelo clube foi o de Al Capone, famoso criminoso italiano. No cadastro do Sócio Rei o endereço era o mesmo de Mario Barbosa. No entanto, após contratar o Serasa para verificar os registros no início do ano, foi descoberto que o nome de Mario Barbosa não existia, e pelos dados cadastrais, seu endereço era o da empresa Amplitude, uma gravadora do bairro do Sacomã, em São Paulo. A ligação da empresa com a Terceira Via, segundo o Santos, envolve Claudio Kobayashi, presidente do grupo, que é ex-funcionário da gravadora.

De acordo com Odílio Rodrigues, que chegou a se emocionar durante a entrevista coletiva, o clube acionará judicialmente os associados e conselheiros responsáveis pelas denúncias.

- O conselheiro mais conservador se sentiu inseguro, porque as denúncias tinham intenção de mostrar fragilidades no sistema. E para mim mudaram o resultado da eleição. O Santos encaminhou ao seu jurídico e tomará todas as providências legais. Vai buscar ser ressarcido pelas pessoas e instituições e buscar através de sindicância quais serão as penalidades dos sócios envolvidos nisso, que vão desde advertência, suspensão ou até expulsão do quatro associativo - afirmou.

Empresa onde foi entregue carteirinha de Al Capone teria ligação com presidente da 3VS (Foto: Reprodução)

Odílio Rodrigues admitiu que o sistema de cadastro de associados pela internet era falho e também disse que não pretende tentar a reeleição no dia 6 de dezembro. Apesar disso, prometeu tentar eleger um sucessor. Paulo Schiff, presidente do Conselho Deliberativo, acompanhou Odílio na coletiva, concordou com a denúncia de "intimidação" aos conselheiros e disse que não deve ocorrer uma nova votação sobre o assunto.

- O fato de ter apresentado um dia antes da eleição faz uma ligação natural. O voto é confidencial, mas sujeito a clima de intimidação? Vocês jornalistas viram esse clima montado na porta da Vila Belmiro, a gente viu na internet ameaças aos conselheiros contra o voto à distância, que leva democracia a todos os sócios, quem mora no Acre, em Fortaleza, Cuiabá ou Brasília, porque o Santos tem embaixadas em todo o país.

O clube tem 55.459 sócios, já sem contabilizar os "fantasmas" segundo o Movimento por um Futebol Melhor.

Orlando Rollo, presidente do Conselho Deliberativo da Terceira Via Santista, reagiu às denúncias da atual diretoria do Santos e manteve a posição do grupo que fez a denúncia na semana passada.

- Eles devem estar manipulando para incriminar algumas lideranças da oposição. Isso é banal, eles estão fazendo assim: pegaram a mulher traindo o marido no sofá e querem culparam o sofá. Quem faz as carteirinhas é a situação, não a oposição. Quem faz as carteirinhas é quem está no comando do Santos - rebateu.

OPOSIÇÃO NEGA ENVOLVIMENTO COM DADOS CADASTRAIS DAS CARTEIRINHAS

A Terceira Via publicou em seu site uma nota reafirmando de que as carteirinhas chegaram à sua sede através de um envelope, com uma carta enviada por um ex-funcionário da CSU, empresa responsável pelo programa Sócio Rei. A nota também rebate a acusação de que um de seus diretores teria envolvimento com a sócia do clube que mora no mesmo endereço para onde foi enviada a carteirinha no nome de Alexandre Nardoni. Segundo a nota, é inverídica a afirmação.

Sobre a suposta ligação de Claudio Kobayashi, presidente da Terceira Via, com o endereço da carteirinha de Al Capone, o grupo opositor afirma que isso é uma manipulação cadastral por parte do clube. Confira um trecho da resposta.

"A manipulação cadastral é evidente e é pretensão deles macular as lideranças que colocam em xeque o futuro da situação frente o clube alvinegro praiano, pois com certeza alteraram informações cadastrais de domínio exclusivo e privado de seus asseclas e da empresa terceirizada com o intuito de denegrir o Presidente da 3VS".