icons.title signature.placeholder Felipe Mendes
23/07/2014
16:21

O tema questão emocional, que esteve em voga durante a participação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, está na mira do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Em evento nesta quarta-feira para apresentar o andamento do trabalho para o evento esportivo, a entidade deixou claro que tem trabalhado a questão mental dos atletas.

- Os Jogos do Rio vão trazer uma pressão grande. A Copa do Mundo foi rica em experiência para nós. Estamos trabalhando em cima do que aconteceu na Copa, avaliando tudo o que aconteceu. Trabalhamos a preparação mental há alguns anos. Nos Jogos de Londres, em 2012, tivemos sete psicólogos. Algumas modalidades aceitam melhor, alguns treinadores gostam disso. Outros não. Tem técnico que prefere trabalhar diretamente - disse o gerente geral de performance esportiva do COB, Jorge Bichara.

De acordo com o dirigente, a psicologia não é a salvação de uma equipe. Ela faz parte de um leque de serviços. Segundo Bichara, um atleta pode ter ótimo equilíbrio emocional, mas se não estiver bem fisicamente, pode não ganhar medalha.

- Trabalhamos para fechar todas as lacunas. A participação brasileira nos Jogos é marcada por vitórias, derrotas e surpresas. Queremos sempre boas surpresas e não surpresas negativas. Mas nem sempre os atletas favoritos concretizam o seu favoritismo. Todo país sofre com isso - afirmou Bichara.

Acompanhamento

Atualmente, o COB faz o monitoramente esportivo de 196 atletas de esportes individuais. Com essa ação, o COB busca avaliar as necessidades de cada atleta para que estes consigam atingir as metas traçadas para cada temporada. Os resultados são avaliados periodicamente. Em 2013, por exemplo, a entidade considerou o melhor da história olímpica brasileira após uma Olimpíada. Se em 2009 foram nove medalhas em Mundiais e Copas do Mundo, no ano passado foram 27.

- Isso não garante medalha em 2016, mas mostra que estamos no caminho certo - disse Bichara.

Atualmente, o Brasil já tem 300 vagas garantidas em 2016. O planejamento do COB é de ter pouco mais de 400 atletas na Olimpíada.