icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni
23/06/2014
13:20

A Costa Rica espantou o mundo ao se classificar com antecedência no grupo da morte da Copa do Mundo, que traz três campeões do mundo: Inglaterra, Uruguai e Itália. Para seu treinador, porém, não foi espanto. Pelo menos, foi isso que o colombiano Jorge Luis Pinto deixou claro na manhã desta segunda-feira, durante entrevista coletiva no Mineirão, onde sua equipe treinou pela primeira vez.

- Talvez a imprensa não imaginasse (o sucesso da Costa Rica), mas, pra gente, não é novidade, não tem segredo. Tem trabalho. Começamos a fazer uma pré-temporada em dezembro. Não começou há um mês ou 20 dias. Todos aqui se conhecem muito bem e estão preparados fisicamente, mentalmente e taticamente - afirmou.

A confiança do treinador sempre foi tão grande que, segundo ele, o ingresso para as oitavas de final "já estava comprado há alguns anos para toda família ir ao Rio de Janeiro". O problema é que, dependendo da posição que terminar no Grupo C, o jogo da Costa Rica será em Pernambuco - se empatar com a Inglaterra, terá de jogar no Recife.

- Não tem problema se for Colômbia. Irei com tudo. Se for Costa do Marfim ou Japão, será igual. Esta é minha profissão. Hoje defendo um país e vou defender até a morte - afirmou.




Apesar da confiança e uma certa marra, o treinador da Costa Rica colocou a Inglaterra como favorita para o duelo do Mineirão, nesta terça-feira.

- Por toda a história que tem, pela camisa, pelos jogadores internacionais, a Inglaterra sempre será favorita contra a Costa Rica - avisou.

O colombiano Jorge Luis Pinto não quis confirmar a escalação, mas adiantou que fará duas mudanças. Uma delas, já confirmada, será a entrada do zagueiro Roy Miller, possivelmente na vaga de Umaña, de acordo om a imprensa costarriquenha.

A escalação provável: Navas; Miller, Duarte e González; Gamboa, Tejeda, Brenes, Bolaños e Diaz; Ruiz e Campbell.