icons.title signature.placeholder João Pires
icons.title signature.placeholder João Pires
13/07/2013
08:21

O Brasil terá finalmente a chance de se vingar dos Estados Unidos na Liga Mundial. Neste sábado, às 10h, e domingo, às 9h45, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, as equipes se enfrentam pela última rodada do Grupo A e basta uma vitória brasileira para os americanos serem eliminados.

Em 2008, nas semifinais, o Brasil caiu para os americanos, também no Maracanãzinho, e não conseguiu avançar à final. Mas agora chegou a hora de devolver a eliminação, que pode vir para os americanos até mesmo em caso de duas derrotas do Brasil, já que os EUA ainda precisam torcer por uma derrota da Bulgária para a Polônia.

Os Estados Unidos tês 12 pontos e precisam de duas vitórias por 3 sets a 0 ou 3 a 1 para alcançar 18 pontos e superar os búlgaros, que têm 17. O Brasil, por sua vez, soma 19 pontos e basta uma vitória para garantir a liderança da chave.

Um dos remanescentes de 2008, ao lado do veterano Dante - nos EUA, apenas David Lee segue na equipe -, Bruninho prefere não dar muita importância para esta vingança.

- São momentos diferentes. Não há esse sentimento de vingança, já os desclassificamos em outras oportunidades. O mais importante agora é buscarmos a evolução e fazer o público no Maracanãzinho contente. Não encaro como revanche, mas a rivalidade existe, são duas potências do voleibol - disse o levantador, ao LANCE!Net.

Mas se boa parte dos jogadores preferem afastar o revanchismo, a chance de eliminar os americanos serve, no mínimo, de incentivo. Até mesmo para os mais novos, que sequer lembram daquele momento.

- Estamos tentando fazer com que a Liga Mundial sirva para os mais jovens evoluírem bastante. Eu nem sabia da eliminação de 2008, mas queremos vencer e que, portanto, sirva de troco para os americanos - afirmou o jovem Lucarelli.

Já classificado para a fase final da liga, que começará na próxima quarta, em Mar del Plata (ARG), o Brasil precisa de um incentivo extra para encarar os americanos. Então, porque não dar o troco de 2008?

O Brasil terá finalmente a chance de se vingar dos Estados Unidos na Liga Mundial. Neste sábado, às 10h, e domingo, às 9h45, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, as equipes se enfrentam pela última rodada do Grupo A e basta uma vitória brasileira para os americanos serem eliminados.

Em 2008, nas semifinais, o Brasil caiu para os americanos, também no Maracanãzinho, e não conseguiu avançar à final. Mas agora chegou a hora de devolver a eliminação, que pode vir para os americanos até mesmo em caso de duas derrotas do Brasil, já que os EUA ainda precisam torcer por uma derrota da Bulgária para a Polônia.

Os Estados Unidos tês 12 pontos e precisam de duas vitórias por 3 sets a 0 ou 3 a 1 para alcançar 18 pontos e superar os búlgaros, que têm 17. O Brasil, por sua vez, soma 19 pontos e basta uma vitória para garantir a liderança da chave.

Um dos remanescentes de 2008, ao lado do veterano Dante - nos EUA, apenas David Lee segue na equipe -, Bruninho prefere não dar muita importância para esta vingança.

- São momentos diferentes. Não há esse sentimento de vingança, já os desclassificamos em outras oportunidades. O mais importante agora é buscarmos a evolução e fazer o público no Maracanãzinho contente. Não encaro como revanche, mas a rivalidade existe, são duas potências do voleibol - disse o levantador, ao LANCE!Net.

Mas se boa parte dos jogadores preferem afastar o revanchismo, a chance de eliminar os americanos serve, no mínimo, de incentivo. Até mesmo para os mais novos, que sequer lembram daquele momento.

- Estamos tentando fazer com que a Liga Mundial sirva para os mais jovens evoluírem bastante. Eu nem sabia da eliminação de 2008, mas queremos vencer e que, portanto, sirva de troco para os americanos - afirmou o jovem Lucarelli.

Já classificado para a fase final da liga, que começará na próxima quarta, em Mar del Plata (ARG), o Brasil precisa de um incentivo extra para encarar os americanos. Então, porque não dar o troco de 2008?