icons.title signature.placeholder Raphael Martins
12/07/2014
09:47

Centenas de pessoas, entre elas companheiros de profissão, admiradores e torcedores do Tigre, foram na madrugada deste sábado ao município de San Fernando, na Grande Buenos Aires, prestar sua última homenagem ao jornalista Jorge "Topo" Lopez. Profissional do diário "Olé", Lopez morreu em São Paulo na última quarta-feira. O jornalista havia acabado de jantar e teve o seu taxi atingido por outro, roubado, conduzido por bandidos em fuga.

- Foi o dia mais trista da história do Olé. Não conseguíamos trabalhar. Depois que Maxi Rodríguez converteu o pênalti que nos classificou não houve comemoração. Não havia clima. Continuamos em silêncio - contou ao LANCE!Net o jornalista Pablo Ramón.

Lopez era uma pessoa conhecida na Argentina. Amigo de Messi, foi o primeiro a fazer uma entrevista com o jogador, quando este ainda era um menino de 16 anos e jogava nas categorias de base do Barcelona. Havia trabalhado no diário catalão "Sport" e era também uma pessoa querida pela família do técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone, e do atacante Saviola, do Olympiacos.

Por sinal, as famílias de Simeone e Saviola enviaram coroas de flores. Assim como as diretorias do Vélez Sarsfield e do Tigre, clube para o qual o jornalista torcia. A diretoria do time de Vitória, por sinal, produziu uma faixa onde se lia um apoio à viúva de Topo Lopez: "Força Verônica".

O enterro do jornalisa será neste sábado.